Comparecimento nas eleições alemãs está mais baixo que em 2013

O comparecimento nas urnas nas eleições nacionais alemãs estava levemente mais baixo às 12 horas (horário local, 7 horas no Brasil), no mesmo horário em comparação com quatro anos atrás, disse o órgão que surpervisiona as eleições do país num comunicado neste domingo; ao meio-dia, 41,1 por cento de eleitores registrados já tinham votado, em comparação com 41,4 por cento em 2013; presidente Frank-Walter Steinmeier alertou os alemães sobre deixar outros decidirem o futuro de seu país ao deixar de votar; “Talvez nunca tenha estado tão claro que as eleições são sobre o futuro da democracia e da Europa”, escreveu, em meio a pesquisas mostrando que até um terço dos alemães estava indeciso

O comparecimento nas urnas nas eleições nacionais alemãs estava levemente mais baixo às 12 horas (horário local, 7 horas no Brasil), no mesmo horário em comparação com quatro anos atrás, disse o órgão que surpervisiona as eleições do país num comunicado neste domingo; ao meio-dia, 41,1 por cento de eleitores registrados já tinham votado, em comparação com 41,4 por cento em 2013; presidente Frank-Walter Steinmeier alertou os alemães sobre deixar outros decidirem o futuro de seu país ao deixar de votar; “Talvez nunca tenha estado tão claro que as eleições são sobre o futuro da democracia e da Europa”, escreveu, em meio a pesquisas mostrando que até um terço dos alemães estava indeciso
O comparecimento nas urnas nas eleições nacionais alemãs estava levemente mais baixo às 12 horas (horário local, 7 horas no Brasil), no mesmo horário em comparação com quatro anos atrás, disse o órgão que surpervisiona as eleições do país num comunicado neste domingo; ao meio-dia, 41,1 por cento de eleitores registrados já tinham votado, em comparação com 41,4 por cento em 2013; presidente Frank-Walter Steinmeier alertou os alemães sobre deixar outros decidirem o futuro de seu país ao deixar de votar; “Talvez nunca tenha estado tão claro que as eleições são sobre o futuro da democracia e da Europa”, escreveu, em meio a pesquisas mostrando que até um terço dos alemães estava indeciso (Foto: Aquiles Lins)

BERLIM (Reuters) - O comparecimento nas urnas nas eleições nacionais alemãs estava levemente mais baixo às 12 horas (horário local, 7 horas no Brasil), no mesmo horário em comparação com quatro anos atrás, disse o órgão que surpervisiona as eleições do país num comunicado neste domingo.

Ao meio-dia, 41,1 por cento de eleitores registrados já tinham votado, em comparação com 41,4 por cento em 2013. Mais cedo, North Rhine-Westphalia, o estado mais populoso do país, reportou um aumento de 3 por cento na participação.

Os alemães foram instados a votar em uma eleição nacional neste domingo, em que um quarto mandato aparentemente seguro para a chanceler Angela Merkel corre o risco de ser ofuscado por um partido de extrema direita que entra no parlamento pela primeira vez em mais de meio século.

Depois do choque com o resultado das eleições do ano passado, com o voto da Grã-Bretanha para deixar a União Europeia e a eleição de Donald Trump como presidente dos Estados Unidos, muitos esperam que Merkel reúna uma ordem ocidental liberal machucada, lhe dando a incumbência de liderar uma Europa pós-Brexit.

Escrevendo no jornal de mercado de massa Bild e Sonntag, o presidente Frank-Walter Steinmeier alertou os alemães sobre deixar outros decidirem o futuro de seu país ao deixar de votar.

“Talvez nunca tenha estado tão claro que as eleições são sobre o futuro da democracia e da Europa”, escreveu, em meio a pesquisas mostrando que até um terço dos alemães estava indeciso.

“Se você não votar, outros decidirão.”

No sistema eleitoral proporcional da Alemanha, baixo comparecimento pode impulsionar partidos pequenos, como a alternativa anti-imigração Alternativa para a Alemanha (AfD), dando a eles mais assentos com o mesmo número de votos.

Nas eleições regionais do ano passado, os conservadores de Merkel sofreram contratempos ao AfD, que se aproveitou do ressentimento em sua decisão de 2015 de abrir as fronteiras alemãs para mais de um milhão de migrantes.

Aqueles contratempos fizeram Merkel, a filha de um pastor que cresceu na Alemanha Oriental comunista, considerar se ela deveria concorrer a nova reeleição.

Mas com o assunto migração sob controle este ano, ela decidiu se jogar na campanha, se apresentando como uma âncora de estabilidade em um mundo incerto.

Visivelmente mais feliz, Merkel fez campanha com uma renovada convicção: determinar de reaparelhar a economia para a era digital, evitar futuras crises migratórias e defender uma ordem ocidental abalada pela vitória de Trump em novembro passado.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247