Conmebol suspende Messi por 3 meses por acusações de corrupção na Copa América

A Conmebol puniu nesta sexta-feira (2) o astro argentino Lionel Messi com três meses de suspensão, após o jogador acusar a entidade de corrupção, afirmando que tudo estava planejado para o Brasil vencesse a última edição da Copa América

Meia argentino argentino Lionel Messi.
Meia argentino argentino Lionel Messi. (Foto: argentino Lionel Messi)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Manuel Farías (Reuters) - A Conmebol puniu nesta sexta-feira (2) o astro argentino Lionel Messi com três meses de suspensão, após o jogador acusar a entidade de corrupção, afirmando que tudo estava planejado para o Brasil vencesse a última edição da Copa América.

Messi, que foi expulso na disputa de terceiro lugar, na qual a Argentina derrotou o Chile por 2 x 1, não participou da cerimônia de premiação. Pelo cartão vermelho nessa partida, o Tribunal Disciplinar da Conmebol já havia aplicado um jogo de suspensão ao atleta.

Entretanto, as declarações após a eliminação nas semifinais para o Brasil, criticando o árbitro Roddy Zambrano, significaram uma nova punição.

Assim, a Conmebol determinou uma suspensão de três meses para Messi. “Em consequência, o jogador fica suspenso da disputa de partidas oficiais e amistosos com sua seleção nesse período de tempo”, afirmou um comunicado da entidade em seu website.

Além disso, a Conmebol também aplicou uma multa de 50 mil dólares ao jogador, que pela suspensão não poderá jogar, por exemplo, os amistosos contra Chile e México, programados para setembro.

Cabe recurso à decisão.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247