Documento da ONU aponta que Bolsonaro violou obrigações legais sobre a Covid

Um informe oficial da ONU critica severamente a conduta do governo Bolsonaro no enfrentamento da pandemia. O documento será apresentado à comunidade internacional na segunda quinzena de setembro

Presidente Jair Bolsonaro coloca máscara de proteção em Brasília 09/06/2020
Presidente Jair Bolsonaro coloca máscara de proteção em Brasília 09/06/2020 (Foto: REUTERS/Adriano Machado)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Um documento da Organização das Nações Unidas que será apresentado ainda neste mês ao Conselho de Direitos Humanos indica que o Brasil está entre outros países que podem ter cometido violações de suas obrigações legais em direitos humanos diante do comportamento que adotaram diante da crise pandemia.

A conduta de desleixo do governo Bolsonaro, é alvo de severas críticas e denúncias internacionais. 

Nas últimas semanas, o governo de Jair Bolsonaro foi alvo de queixas no Tribunal Penal Internacional pela forma que respondeu à pandemia. Grupos de ongs, sindicatos e outras entidades apresentaram suas petições à corte, informa o jornalista Jamil Chade, que acompanha em Genebra as atividades do Conselho de Direitos Humanos da ONU.

Um dos pontos destacados pelo relatório da ONU no caso do Brasil foi a falta de precauções adotadas pelo governo e um comportamento de negação da seriedade da doença.

"A incerteza é sempre um fator na ciência", diz o informe. "No caso da Covid-19, em geral, houve notável falta de precaução empregada pelos estados e empresas, desde o uso econômico de máscaras faciais até informações sobre o risco de propagação aérea até a natureza mortal do próprio vírus", afirma.

Um outro destaque do relator se refere à situação dos indígenas. "A Covid-19 está devastando as comunidades indígenas, invocando a trágica história da varíola que dizimou muitos povos das Américas e de outros lugares". 

O negacionismo também foi citado. "Em vez de seguir os conselhos científicos para adotar medidas mais rigorosas de teste e contenção, certos líderes do governo apresentaram argumentos desonestos em apoio a suas abordagens, particularmente a justificação econômica de não impor um confinamento, sacrificando efetivamente a vida de seus cidadãos, em particular comunidades de baixa renda e minorias, trabalhadores e pessoas idosas". 

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email