Embaixador da Palestina sobre conflito com Israel: 'queremos que Brasil fique perto de nós'

Embaixador palestino no Brasil, Ibrahim Alzeben, falou durante uma entrevista sobre temas importantes referentes à decisão do presidente Jair Bolsonaro em não transferir a embaixada brasileira de Tel Aviv para Jerusalém; "O lugar do Brasil, o lugar de qualquer outro país, independentemente dos interesses bilaterais, é ajudar as duas partes. Acredito que estamos abrindo uma nova página com o Brasil e que deve ser seguida através do diálogo", disse Alzeben

Embaixador da Palestina sobre conflito com Israel: 'queremos que Brasil fique perto de nós'
Embaixador da Palestina sobre conflito com Israel: 'queremos que Brasil fique perto de nós'
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Sputnik Brasil - O embaixador palestino no Brasil, Ibrahim Alzeben, falou durante uma entrevista sobre temas importantes referentes à decisão do presidente Jair Bolsonaro em não transferir a embaixada brasileira de Tel Aviv para Jerusalém.

Desde que tomou posse, o presidente da República Federativa do Brasil vem fortalecendo os laços com os EUA e Israel. Uma das promessas de Bolsonaro durante sua campanha eleitoral era que mudaria a embaixada do Brasil de Tel Aviv para Jerusalém, reconhecendo assim a Cidade Santa como a capital de Israel.

No entanto, diante de possíveis represálias dos países árabes, que são de grande importância para as exportações de carne, Bolsonaro anunciou durante sua visita a Israel a abertura de um escritório comercial.

Durante uma entrevista ao canal RT, o embaixador palestino Alzeben deu sua opinião sobre o assunto.

Perguntado sobre a viagem do líder brasileiro a Israel, o diplomata respondeu que a visita causou algumas controvérsias, como a ida ao "Muro das Lamentações com [o premiê israelense Benjamin] Netanyahu, em que o Brasil foi praticamente usado para sua campanha eleitoral".

"A visita de qualquer mandatário de qualquer país não vai mudar a natureza do conflito. Este conflito é resolvido entre duas partes e o fator externo deve ajudar na negociação e não na polarização [...] O lugar do Brasil, o lugar de qualquer outro país, independentemente dos interesses bilaterais, é ajudar as duas partes. Acredito que estamos abrindo uma nova página com o Brasil e que deve ser seguida através do diálogo", disse.

Ao ser questionado sobre o fato de Bolsonaro não ter visitado a Palestina, o diplomata assume que gostaria que isso tivesse acontecido, mas durante um jantar com embaixadores de países árabes o presidente brasileiro havia falado que "gosta de fazer as viagens uma a uma", dando a entender que iria à Palestina no futuro.

"O Brasil sempre foi um mediador e queremos que continue. Durante o jantar, eu disse: 'Fiquem longe do conflito.' E agora acrescento: fiquem longe do conflito, mas não longe de nós. Queremos que o Brasil fique perto de nós, protegendo seus interesses com a Palestina e Israel. Para nos ajudar a alcançar essa paz que queremos", afirmou o embaixador.

Quanto à abertura de um escritório comercial ao invés da transferência da embaixada, Ibrahim Alzeben acredita que "qualquer aproximação a Jerusalém pode prejudicar o carácter e o estatuto legal da cidade".

"Recomendamos que ninguém se aproxime deste conflito, especialmente da questão de Jerusalém. Jerusalém é um ponto muito delicado. É melhor não se aproximar, não abrir nenhum escritório, nem comercial, nem político, nem diplomático".

Questionado sobre as relações comerciais entre os países árabes e o gigante latino-americano, que é o maior exportador mundial de carne halal (permitida a consumo por muçulmanos), o diplomata declarou que o interesse é que os laços se estreitem ainda mais.

Respondendo à pergunta sobre as mudanças de planos de Bolsonaro, sobre se a revogação da transferência da embaixada tinha alguma relação com os possíveis acordos comerciais com os Estados árabes, o embaixador expressou que "o governo entendeu que essa não era a posição que deveria ser tomada pelo Brasil".

"Mas não há pressão, não pretendemos exercer pressão, o que pretendemos é abrir canais de diálogo para mostrar ao lado brasileiro onde estão os interesses mútuos. Acredito que a posição do Brasil de se retratar é sábia", concluiu.

 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247