EUA admitem ter matado mais de 100 civis em bombardeio no Iraque

Governo dos Estados Unidos admitiu que um dos seus bombardeios matou mais de 100 civis na cidade de Mossul, no Iraque, em março deste ano; Pentágono realizou uma investigação que confirmou que uma bomba provocou explosões secundárias, devido ao bombardeio ter atingido um depósito de explosivos que pertenciam aos terroristas do Estado Islâmico; documento produzido afirma ainda que 36 civis seguem desaparecidos em Mossul

Mosul, bombardeio aéreo, Estado Islâmico, terrorismo
Mosul, bombardeio aéreo, Estado Islâmico, terrorismo (Foto: Paulo Emílio)

Sputnik - O governo dos Estados Unidos admitiu nesta quinta-feira que um dos seus bombardeios matou mais de 100 civis na cidade de Mossul, no Iraque, em março deste ano, segundo informações da agência Associated Press.

O Pentágono realizou uma investigação que confirmou que uma bomba provocou explosões secundárias, devido ao bombardeio ter atingido um depósito de explosivos que pertenciam aos terroristas do Daesh na cidade iraquiana.

De acordo com a apuração militar norte-americana, foi provavelmente a maior perda de vidas civis desde o início dos bombardeios contra o Daesh no Iraque, em 2014.

O desabamento de um edifício por conta do bombardeio e dos efeitos secundários matou 101 pessoas, enquanto outras quatro morreram por estarem em um imóvel próximo, conforme pontuou o general da Força Aérea dos Estados Unidos, Matthew Isler, que conduziu a investigação.

O documento produzido afirma ainda que 36 civis seguem desaparecidos em Mossul.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247