EUA assumem intenção de derrubar Maduro

"Estamos avaliando todas as nossas opções de políticas para criar uma mudança de condições na Venezuela, seja levando Maduro a concluir que não tem futuro e fazendo com que ele saia por vontade própria, ou nós podemos devolver os processos de governo à sua ordem constitucional", afirmou Rex Tillerson, secretário de Estado, à imprensa

Secretário de Estado dos Estados Unidos, Rex Tillerson. 05/04/2017 REUTERS/Joshua Roberts
Secretário de Estado dos Estados Unidos, Rex Tillerson. 05/04/2017 REUTERS/Joshua Roberts (Foto: Leonardo Attuch)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Do Opera Mundi

O secretário de Estado dos Estados Unidos, Rex Tillerson, afirmou nesta quarta-feira (02/08) que seu país “está avaliando as opções” que levem à saída de Nicolás Maduro da Presidência da Venezuela.

"Estamos avaliando todas as nossas opções de políticas para criar uma mudança de condições [na Venezuela], seja levando Maduro a concluir que não tem futuro e fazendo com que ele saia por vontade própria, ou nós podemos devolver os processos de governo à sua ordem constitucional", afirmou Tillerson à imprensa.

O secretário de Estado disse também que os EUA tentaram “se aproximar” da Venezuela por meio de organismos como a OEA (Organização dos Estados Americanos). “O que queremos ver na Venezuela é o retorno a sua Constituição, a realização de eleições e que o povo venezuelano tenha voz em um governo que mereça”, disse.

Washington não reconhece a eleição realizada no último domingo (30/07) para a Assembleia Constituinte, na qual votaram mais de 8 milhões de venezuelanos, segundo o CNE (Conselho Nacional Eleitoral). Tillerson disse que o pleito “aconteceu como esperávamos” e que os EUA estão “muito preocupados” com a possibilidade de novos episódios de violência no país.

O embaixador da Venezuela na OEA, Samuel Moncada, repercutiu, em seu Twitter, o comentário de Tillerson. Segundo ele, o secretário de Estado dos EUA “trabalha para derrubar o presidente venezuelano, Nicolás Maduro": "CIA contra Venezuela: Secretário Tillerson impunemente trabalha para derrubar o presidente Maduro. Coalizão do mal arremete contra a democracia”.

O diplomata e ex-chanceler venezuelano classificou esta como “a mais descarada das ameaças dos EUA contra a Venezuela desde 1902”, chamando de “loucura do império”. Moncada lembrou também que Tillerson era chefe da petroleira norte-americana Exxon Mobil Corporation e que “agora usa o império para assaltar o petróleo do povo”, afirmou.

CIA contra Venezuela: Sec. Tillerson impunemente trabaja para derrocar al Pres. Maduro. Coalición del mal arremete contra la democracia pic.twitter.com/OLZrffKKVW

— Samuel Moncada (@SMoncada_VEN) 2 de agosto de 2017
Desde meados de julho o governo de Donald Trump vinha ameaçando o governo Maduro com sanções em uma tentativa de pressionar o presidente venezuelano a suspender a eleição para a Constituinte. No dia seguinte à eleição, Washington impôs sanções contra Maduro, acrescentando-o a uma lista de 29 funcionários ou ex-funcionários de governos chavistas sancionados pelos EUA.

A sanção significa que todos os ativos do presidente venezuelano sujeitos à jurisdição dos EUA estão congelados e que todos os norte-americanos estão proibidos de fazer qualquer transação com Maduro.  

O secretário do Tesouro dos EUA, Steven Mnuchin, afirmou em comunicado que “a eleição ilegítima de ontem [domingo] confirma que Maduro é um ditador que desconsidera a vontade do povo venezuelano”. “Ao sancionar Maduro, os EUA deixam clara nossa oposição às políticas deste regime e nosso apoio ao povo da Venezuela que busca devolver uma democracia plena e próspera a seu país”, acrescentou.

… temos algo a sugerir. Cada vez mais gente lê Opera Mundi, mas a publicidade dos governos, com o golpe, foi praticamente zerada para a imprensa crítica, e a publicidade privada não tem sido igualmente fácil de conseguir, apesar de nossa audiência e credibilidade. Ao contrário dos sites da mídia hegemônica, nós não estamos usando barreiras que limitam a quantidade de matérias que podem ser lidas gratuitamente por mês. Queremos manter o jornalismo acessível a todos. Produzir um jornalismo crítico e independente custa caro e dá trabalho. Mas nós acreditamos que o esforço vale a pena, pois um jornalismo desse tipo é essencial num mundo que preza a democracia. E temos certeza de que você concorda com isso.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247