EUA querem usar o Brasil para ação contra a China na OMS

O governo de Donald Trump quer a participação do Brasil em seus planos de luta contra a China no seio da OMS (Organização Mundial de Saúde), sob o pretexto de reformar a instituição

Donald Trump, Jair Bolsonaro e Xi Jinping
Donald Trump, Jair Bolsonaro e Xi Jinping (Foto: Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News

247 - Os Estados Unidos enviaram ao Brasil um projeto de reestruturação da OMS (Organização Mundial de Saúde), agência multilateral da Organização das Nações Unidas. O objetivo do governo Trump é contar com o Brasil em seus planos de ação contra a China no âmbito da organização ou na criação de uma outra, alternativa à OMS.

O jornalista Jamil Chade, especialista na cobertura em Genebra, Suíça, das atividades da Organização das Nações Unidas, informa em sua coluna que o documento submetido pelo governo americano apresenta princípios para redefinir o papel da OMS. 

Chade destaca que o projeto estadunidense abriu uma crise com a França e Alemanha, que mostraram discordâncias com a agenda da reforma e os princípios da nova entidade multilateral de saúde.

PUBLICIDADE

A estratégia dos EUA é aprovar seu plano no G7 (grupo das sete maiores economias do mundo) que, neste semestre, é presidido por Donald Trump, informa o jornalista.

O passo seguinte seria levar a questão ao G-20, onde os Estados Unidos esperam contar com o apoio do Brasil, que segundo diplomatas estrangeiros, seria fundamental para os planos de Trump. O Itamaraty confirmou que recebeu a proposta americana. 

PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email