Fidel: Cuba perdeu o seu melhor amigo

Em um artigo no jornal Granma, Fidel Castro descreveu Hugo Chávez como o melhor amigo de Cuba ao longo de sua história e disse que a notícia de sua morte "golpeou com força" os cubanos; leia a íntegra do texto

Fidel: Cuba perdeu o seu melhor amigo
Fidel: Cuba perdeu o seu melhor amigo
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Da Agência Brasil

Brasília - O líder cubano Fidel Castro publicou hoje (11) seus primeiros comentários sobre a morte do presidente venezuelano Hugo Chávez.

Em um artigo no jornal Granma, Fidel descreveu Chávez como o melhor amigo de Cuba ao longo de sua história e disse que a notícia de sua morte "golpeou com força" os cubanos.

Chávez havia sido submetido a uma cirurgia para tratar um câncer, em Cuba, em dezembro, e retornou à Venezuela cerca de duas semanas antes de sua morte, no último dia 5.

O presidente venezuelano era um amigo pessoal de Fidel e, enquanto esteve no poder, concedeu uma série de benefícios a Cuba, incluindo o fornecimento de 100 mil barris de petróleo por dia a preços subsidiados.

Da BBC Brasil

Leia a íntegra do texto de Fidel, traduzido pelo Opera Mundi:

Perdemos nosso melhor amigo

Em 5 de março, no período da tarde, faleceu o melhor amigo que o povo cubano teve ao longo de sua história. Uma ligação por satélite comunicou a amarga notícia. O significado da frase empregada era inconfundível. Se bem conhecíamos o estado crítico de sua saúde, a notícia nos golpeou com força. Recordava as vezes que brincou comigo dizendo que quando ambos concluíssemos nossa tarefa revolucionária, me convidaria a passear pelo rio Arauca no território venezuelano, que lhe fazia recordar o descanso que nunca teve.

Coube-nos a honra de haver compartilhado com o líder bolivariano dos mesmos ideais de justiça social e de apoio aos explorados. Os pobres são os pobres em qualquer parte do mundo.

"Dê-me a Venezuela, em que posso servi-la: ela tem em mim um filho", proclamou o Herói Nacional e Apóstolo de nossa independência, José Martí, um viajante que ainda sem limpar o a poeira do caminho, perguntou onde estava a estátua de Bolívar.

Martí conheceu o monstro porque viveu em suas entranhas. Seria possível ignorar as profundas palavras que verteu em carta inconclusa a seu amigo Manuel Mercado na véspera de sua queda em combate?: " Encontro-me todos os dias em perigo por entregar minha vida pelo meu país, e por ser meu dever – posto que assim entendo e me animo a assim agir— de impedir a tempo, com a independência de Cuba, que os Estados Unidos se estendam pelas Antilhas e caiam, com mais essa força, sobre nossas terras da América. O que fiz até hoje, e o que farei, é para esta finalidade. Teve de ser em silêncio, portanto indiretamente, porque existem coisas que para serem alcançadas têm de andar ocultas”.

Havia transcorrido então 66 anos desde que o Libertador Simón Bolívar escrevera: "Os Estados Unidos parecem destinados pela Providência a infestar a América de misérias em nome da Liberdade".

Em 23 de janeiro de 1959, 22 dias depois do triunfo revolucionário em Cuba, visitei a Venezuela para agradecer a seu povo e ao governo que assumiu o poder após a ditadura de Pérez Jiménez, o envio de 150 fuzis no final de 1958. Disse então:

"A Venezuela é a pátria do Libertador, onde se concebeu a idéia da união dos povos da América. Logo, a Venezuela deve ser o país líder da união dos povos da América; nós os cubanos respaldamos nossos irmãos da Venezuela”.

"Tenho falado destas ideias não porque me mova qualquer ambição de cunho pessoal, tampouco ambição de glória, porque, afinal de contas, a ambição de glória não deixa de ser uma vaidade e como disse Martí: ‘Toda a glória do mundo cabe num grão de milho"

"De modo que, ao vir falar assim ao povo da Venezuela, o faço pensando  honradamente e profundamente, que se quisermos salvar a América, se quisermos salvar a liberdade de cada uma de nossas sociedades, que, no fim das contas, fazem parte de uma grande sociedade, que é a sociedade da América Latina; se se trata de salvar a revolução de Cuba, a revolução da Venezuela e a revolução de todos os países de nosso continente, teremos de nos juntar e teremos de nos apoiar solidamente, porque sozinhos e divididos iremos fracassar."

Disse isto naquele dia e hoje, 54 anos depois, o ratifico!

Devo apenas incluir naquela lista os demais povos do mundo que durante mais de meio século têm sido vítimas da exploração e do saque.

Esta foi a luta de Hugo Chávez.

Nem sequer ele mesmo suspeitava de quão grande era.

‘Hasta la victoria siempre’!, inesquecível amigo!

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247