Foi consumado na Bolívia o golpe mais ardiloso e nefasto da história, diz Evo Morales

O presidente deposto da Bolívia denuncia que foi uma ilegalidade a autoproclamação como chefe de Estado por parte da vice-presidente do Senado boliviano, em sessão realizada sem quórum legislativo

(Foto: Reuters/Carlos Garcia Rawlins)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

O presidente deposto da Bolívia, Evo Morales, denunciou nesta terça-feira (12) a manobra realizada pela representante da oposição, Jeanine Áñez Chávez, para assumir o cargo de presidente interina do país: "Consuma-se o golpe mais ardiloso e nefasto da história".

A autoproclamação foi feita em sessão que não obteve quórum em nenhuma das câmeras do Congresso boliviano.

"Uma senadora da direita golpista se autoproclama presidente do Senado, e logo depois presidente interina da Bolívia, sem quórum legislativo, rodeada por um grupo de cúmplices e apoiada pelas Forças Armadas e pela polícia, que reprimem o povo", escreveu Morales em sua conta no Twitter.

De acordo com o mandatário deposto, a autoproclamação vai contra a Carta Magna, que estipula os procedimentos em caso de renúncia presidencial e as regras de sucessão constitucional da presidência do Senado e da Câmara dos Deputados.

"Esta autoproclamação atenta contra os artigos 161, 169 e 410 da Constituição, que determinam a aprovação ou rejeição de uma renúncia presidencial, a sucessão constitucional da presidência do Senado ou da Câmara de deputados e a supremacia da Constituição. A Bolívia está sofrendo um assalto ao poder do povo".

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email