Forças francesas retomam região estratégica no Mali

Tropas expulsaram insurgentes de área que vai de Timbuktu à Gao, no norte do país, e agora buscam por rebeldes remanescentes

Forças francesas retomam região estratégica no Mali
Forças francesas retomam região estratégica no Mali (Foto: STRINGER)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Opera Mundi - Tropas francesas e malinesas continuaram nesta segunda-feira (28/01) a avançar em direção ao norte do Mali com a retomada da cidade ancestral de Timbuktu. Desde junho do ano passado, grupos insurgentes dominavam essa região do país e agora foram obrigados a recuar.

Com o apoio de jatos franceses, centenas de oficiais retomaram o controle das rotas de acesso à cidade e iniciaram operações terrestres no local sem encontrar resistência dos rebeldes. De acordo com agências internacionais, os principais pontos estratégicos de Timbuktu já estão sob domínio dos franceses e as tropas iniciaram buscas por insurgentes remanescentes.

Os grupos armados deixaram a cidade neste sábado (26/01) com a notícia do avanço das tropas aliadas ao governo. Alguns relatos afirmam que os rebeldes destruíram casas e edifícios históricos antes de partir, deixando um cenário de devastação por onde passaram.

A operação em Timbuktu, localizada a 960 quilômetros da capital Bamako, faz parte da investida das tropas aliadas ao governo nos territórios marginais ao rio do Niger, que estava, até agora, sob o controle dos insurgentes. Em menos de 48 horas, os militares conseguiram reconquistar a área que vai desde Timbuktu a Gao – outra importante cidade.

Jatos franceses bombardearam pelo menos 20 vezes a região e, em seguida, as tropas iniciaram as operações terrestres.

Neste domingo (27/01), os militares asseguraram o controle de Gao depois de um dia de enfrentamento com os rebeldes. A cidade é a maior conquistada pelas forças aliadas ao governo desde o dia 11 de janeiro.

O porta-voz das Forças Armadas da França, coronel Thierry Burkhard, informou que os grupos terroristas foram destruídos ou partiram rumo aos seus bastiões no norte.

Intervenção francesa

Grande parte do norte do Mali estava sob o controle de diferentes grupos insurgentes desde junho do ano passado. No início de janeiro, essas organizações armadas iniciaram avanço ao sul, onde está localizado o centro do poder administrativo malinês, e conseguiram conquistar importantes cidades.

Surpreendido pela investida militar, o presidente interino do país africano, Dioncounda Traoré, pediu ajuda da França para controlar essas organizações. O presidente francês, François Hollande, decidiu realizar a intervenção militar no dia 11 de janeiro, depois de acordo com Traoré. A “Operação Serval” já levou 2 mil oficiais franceses ao país africano. Nas próximas semanas, estima-se que o número de tropas deve chegar a 1,7 mil, totalizando 2,5 mil oficiais.

Em pouco mais de duas semanas de intervenção francesa, as forças aliadas ao governo malinês conseguiram garantir o recuo das organizações armadas e avanços significantes para a recuperação do controle territorial do país. De acordo com relatos citados por agências internacionais, muitos militantes abandonaram suas posições e convergiram para a fortaleza rebelde, a região montanhosa próxima à Kidal a 1,5 mil quilômetros da capital.

Riquezas minerais

Autoridades francesas asseguram que a intervenção está relacionada à luta de combate ao terrorismo na região do Sahel. Eles apontam a existência de grupos vinculados à organização da Al Qaeda que podem ameaçar a segurança da Europa.

Especialistas, no entanto, indicam outros motivos para a ação francesa no país africano. Além de questões políticas internas, como a baixa popularidade de Hollande, os analistas lembram que o Mali possui muitas riquezas naturais importantes para a França, como o urânio.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247