Justiça da França transfere acusado de financiar genocídio de Ruanda para tribunal da ONU

O Tribunal Penal Internacional para Ruanda acusa Félicien Kabuga de cinco crimes, todos relacionados ao genocídio que matou 800 mil pessoas em 1994

Felicien Kabuga
Felicien Kabuga (Foto: PHOTO | FILE | NATION MEDIA GROUP)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

RFI - A justiça francesa decidiu, esta quarta-feira, transferir Félicien Kabuga para um tribunal da ONU. O homem de negócios, considerado um dos principais financiadores do genocídio no Ruanda, foi detido nos arredores de Paris, a 16 de Maio.

O Tribunal de Recurso de Paris aprovou, esta quarta-feira 3 de Junho, a transferência de Félicien Kabuga para o Mecanismo dos tribunais penais internacionais. Este Mecanismo da ONU, que tem sede na Tanzânia, encarrega-se, entre outros, de julgar os processos do Tribunal Penal Internacional para o Ruanda.

A justiça francesa considerou ainda que o estado de saúde de Félicien Kabuga não é incompatível com a sua transferência.

A transferência de Kabuga tinha sido solicitada pela ONU, todavia os advogados, daquele que é acusado de ser o financiador do genocídio no Ruanda, argumentam que o octogenário não será julgado de forma justa e que poderá vir mesmo a morrer na cadeia devido ao seu estado de saúde frágil.

O Tribunal Penal Internacional para Ruanda acusa Félicien Kabuga de 5 crimes: Genocídio, cumplicidade de genocídio, incitação directa e pública para se cometer o genocídio, tentativa de genocídio e acordo para cometer o genocídio.     

Aos 87 anos, Félicien Kabuga nega ter estado implicado no genocídio do Ruanda que fez mais de 800 mil mortes, Tutsis e Hutus moderados, entre Abril e Julho de 1994.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email