Fundador do Alibaba, Jack Ma, não é visto há mais de dois meses

O bilionário chinês de 56 anos de idade, fundador do Alibaba e Ant Group, foi visto pela última vez em outubro

(Foto: REUTERS)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247, com Sputnik -  O bilionário chinês Jack Ma, de 56 anos, fundador do Alibaba e Ant Group - e do site de comércio eletrônico AliExpress, bastante usado no Brasil -, foi visto pela última vez há mais de dois meses, segundo relatos de Jessica Yun ao Yahoo Finance, citado pelo portal Business Insider.

Seu sumiço tem levantado especulações e reportagens na imprensa lembram que ele não aparece em público desde um fórum no final de outubro em Xangai, onde criticou o sistema regulatório da China em um discurso que o colocou em rota de colisão com autoridades do país. 

No final de dezembro, o governo chinês iniciou uma investigação antitruste sobre o Alibaba, maior empresa de comércio eletrônico da China, segundo o Business Insider.

Em novembro, a China introduziu uma série de novas regulamentações interrompendo a grande oferta pública inicial da empresa da Ant Group. As novas regulamentações surgiram após Ma criticar o sistema regulatório financeiro da China em uma conferência em Xangai.

Ma deixou o cargo de presidente do Alibaba em 2019, contudo, era o homem mais rico da China, com uma fortuna avaliada em US$ 60 bilhões (R$ 311 bilhões), porém seu patrimônio líquido sofreu uma quede de US$ 12 bilhões (R$ 62 bilhões) nos últimos dois meses, com o endurecimento das regras chinesas para a indústria de tecnologia financeira.

Hoje, Ma é o quarto homem mais rico do país, segundo a Bloomberg Billionaires.

A notícia do desaparecimento de Ma surgiu pela primeira vez em agosto de 2019, com diversas suposições. Em entrevista, o empresário Guo Wengui, que foi considerado fugitivo em 2014 por ter exposto a corrupção no país, afirmou que Ma seria provavelmente morto ou preso, pois a China pretende "retomar" a empresa Ant Group.

Recentemente, o governo chinês ordenou que a Ant Group, que é dona da maior plataforma de pagamento digital na China – a Alipay, reduzisse suas operações após afirmar que a empresa "não era sólida".

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email