Governo de Hong Kong desmente notícias sobre 'brutalidade policial' na véspera do Natal

O governo da Região Administrativa Especial de Hong Kong (RAEHK) da China refutou por meio de comunicado divulgado pela Hong Kong Watch, baseada no Reino Unido, notícias sobre sobre a "brutalidade policial" na véspera do Natal em Hong Kong

Bandeiras da China e Hong Kong
Bandeiras da China e Hong Kong (Foto: Xinhua)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - "Não há nada de verdade nessas falsas acusações e invenções", disse um porta-voz . "A polícia adotou uma postura ponderada e contida durante todo o processo. Apenas a mínima força foi empregada em resposta às ostensivas atividades ilegais dos manifestantes violentos na véspera do Natal".

O porta-voz salientou que os desordeiros causaram incêndios criminosos, vandalizaram lojas e uma agência do HSBC em Mong Kok, bloquearam ruas, destruíram 21 semáforos, agrediram brutalmente civis inocentes e atacaram policiais, informa a agência Xinhua .

Essas atividades ilegais inegavelmente afetaram de forma significativa a paz e a segurança pública e, portanto, as ações policiais foram necessárias, disse ele.

O porta-voz descreveu as observações do presidente da Hong Kong Watch alegando que "Hong Kong testemunhou uma brutalidade policial verdadeiramente ultrajante na véspera do Natal" como "falsas, totalmente irresponsáveis e grosseiramente injustas".

Esse tipo de mito e mentiras maliciosas deve ser desmascarado imediatamente, pois criou uma imagem totalmente equivocada de Hong Kong no exterior, e Hong Kong acredita firmemente e cumpre rigorosamente com o Estado de Direito, acrescentou o porta-voz.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247