Governo de Hong Kong diz que protestos são ilegais e passaram dos limites

O governo da Região Administrativa Especial de Hong Kong declarou neste domingo (4) através de um porta-voz que os recentes protestos na cidade foram muito além dos limites de manifestações pacíficas e racionais, e que o governo local e a população não tolerarão sob quaisquer circunstâncias este tipo de conduta.

(Foto: Sputnik)

Xinhua - Um porta-voz do governo da Região Administrativa Especial de Hong Kong (RAEHK) da China declarou no domingo (4) que os recentes protestos em Hong Kong foram muito além dos limites de manifestações pacíficas e racionais, e que o governo local e a população não tolerarão sob quaisquer circunstâncias este tipo de conduta.

Ao responder à situação em deterioração dos recentes protestos, o porta-voz disse em um comunicado que "a grave violação à lei, a destruição libertina da paz pública e os ataques violentos à polícia prejudicaram a sociedade, a economia e a vida das pessoas de Hong Kong".

O porta-voz disse que os recentes protestos que foram organizados em nome das demandas de expressão intensificaram os atos ilegais e de bloqueio das ruas.

"Os manifestantes cometeram maliciosamente atos ilícitos graves incluindo ataques violentos em diferentes distritos, agressões a policiais e incêndios criminosos. Os manifestantes bloquearam do dia 3 até a manhã do dia 4 a entrada e a saída do túnel submarino de Hong Hom assim como principais vias como a Lung Cheung, causando sérios impactos adversos sobre a população", disse ele.

Como alguns manifestantes instigaram a população a participar de greves e do bloqueio de estradas e do transporte público na segunda-feira passada, o governo da RAEHK disse esperar que ao expressar suas demandas, os manifestantes possam obedecer à lei e respeitar os direitos de outros cidadãos.

O governo da RAEHK também solicitou que a população no geral "se mantenha firme em seus postos de trabalho e valorize o status do centro financeiro internacional de Hong Kong que foi obtido com árduo trabalho, uma base econômica estável e um ambiente social diversificado e inclusivo".

A economia de Hong Kong está sofrendo tanto com os ventos contrários externos quanto com as questões sociais internas. Os dados econômicos mais recentes, que são os piores da última década, mostram que a economia está fraca e o risco de uma desaceleração econômica está se aproximando, segundo o porta-voz.

"Qualquer greve em grande escala e ato violento afetará a vida e as atividades econômicas dos cidadãos de Hong Kong. Isso apenas prejudicará ainda mais a economia local que está enfrentando riscos de baixa, assim como a confiança da comunidade internacional e dos investidores estrangeiros na sociedade e economia de Hong Kong, causando perdas e danos à lei e ordem, economia, vida e emprego da população e finalmente prejuízo em todos âmbitos da sociedade", acrescentou.

O governo da RAEHK reiterou que o serviço civil inteiro precisa se unir ante todos os desafios e pressões vigentes.

"É um momento difícil e os colegas do governo devem agir pelo interesse geral de Hong Kong e trabalhar em conjunto para defender os valores essenciais do serviço civil", disse o porta-voz. "A operação efetiva do governo e a provisão dos serviços públicos não devem ser afetadas por quaisquer crenças pessoais, evitando assim, abalar a confiança pública no exercício imparcial dos deveres pelos funcionários públicos."

Conheça a TV 247

Mais de Mundo

Ao vivo na TV 247 Youtube 247