Governo de Iván Duque na Colômbia já assassinou 135 indígenas

Organizações indígenas na Colômbia acusam o presidente de extrema-direita Iván Duque de ser o principal responsável pelo que classificam como genocídio indígena. Até agora já são 135 indígeas mortos desee que Duque tomou posse, em agosto de 2018

Colômbia, genocídio indígena
Colômbia, genocídio indígena (Foto: Telesur)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Telesur - A Organização Indígena de Antioquia (OIA) confirmou nesta quarta-feira (6), o assassinato de Luis Enrique de la Cruz Suárez, membro da Guarda Indígena de Cáceres e pertencente à comunidade de Zanu, o que o torna o 135º assassinado durante o mandato do presidente Iván Duque O assassinato ocorreu no início da manhã na estrada que leva ao município de Cáceres até a vila de El Tigre no Baixo Cauca Antioquino.  

Em um comunicado, a OIA disse que o possível motivo para o assassinato desse homem, de 43 anos, seria não cumprir o toque de recolher decretado pelos grupos paramilitares ilegais presentes na área, que exigem que a comunidade não saia às ruas depois das 18:00 hora local. 

 A agência também indicou que um grupo de Sijin e da Guarda Indígena foram ao local para realizar a remoção do corpo e coletar evidências materiais para encontrar os responsáveis.  A OIA lamentou profundamente os acontecimentos e exigiu que os "atores armados fora da lei" respeitassem a vida dos homens e mulheres de Senu, no Baixo Cauca de Antioquia.  "

Com os povos indígenas, eles sempre podem contar para a paz, nunca para a guerra", diz o texto da OIA.   

Dessa forma, a organização instou os defensores nacionais e internacionais de direitos humanos a acompanhar as comunidades indígenas naquela área onde, recentemente, houve um ressurgimento do conflito armado.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247