Grã-Bretanha lamenta morte de parlamentar e coloca referendo no limbo

A Grã-Bretanha entrou em luto nesta sexta-feira pela parlamentar Jo Cox após um homem armado matá-la em um ataque que colocou no limbo o referendo de 23 de junho sobre a permanência na União Europeia; a morte gerou uma pausa na campanha sobre o referendo da UE

Flores em homenagem a Jo Cox deixadas em Londres. 17/06/2016 REUTERS/Stefan Wermuth
Flores em homenagem a Jo Cox deixadas em Londres. 17/06/2016 REUTERS/Stefan Wermuth (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

BIRSTALL, Inglaterra (Reuters) - A Grã-Bretanha entrou em luto nesta sexta-feira pela parlamentar Jo Cox após um homem armado matá-la em um ataque que colocou no limbo o referendo de 23 de junho sobre a permanência na União Europeia.

Jo Cox, apoiadora da permanência britânica na UE, foi baleada e repetidamente esfaqueada em seu distrito eleitoral, próximo a Leeds, no norte da Inglaterra, por um homem que, segundo testemunhas, gritou "Grã-Bretanha primeiro".

Um homem de 52 anos foi preso por autoridades próximas ao local e armas, incluindo uma arma de fogo, foram recuperadas.

A morte gerou uma pausa na campanha sobre o referendo da UE. Embora os motivos do assassino não sejam imediatamente claros, alguns especulam que simpatia por Jo pode impulsionar a campanha de permanência, que foi recentemente superada pelos que defendem a saída do país do bloco europeu.

A polícia informou que não estava em posição de discutir o motivo do ataque.

"Jo acreditava em um mundo melhor e ela lutou por isso todos os dias de sua vida com uma energia e entusiasmo pela vida que deixariam a maioria das pessoas exaustas", disse o viúvo de Jo, Brendan.

A bandeira britânica foi hasteada em meio mastro sobre o Parlamento, Downing Street e Palácio de Buckingham, enquanto centenas de pessoas em Birstall realizaram uma homenagem em uma igreja local.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247