Irã adverte Estados Unidos para que não façam a guerra

O Irã advertiu o presidente dos EUA, Donald Trump, nesta a quinta-feira (19) para que não seja arrastado para uma guerra total no Oriente Médio, após o ataque às instalações de petróleo da Arábia Saudita, pelo qual que os EUA e a Arábia Saudita culpam o Irã

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Reuters - O Irã advertiu o presidente dos EUA, Donald Trump, nesta a quinta-feira (19) para que não seja arrastado para uma guerra total no Oriente Médio,  após o ataque às instalações de petróleo da Arábia Saudita, pelo qual que os EUA e a Arábia Saudita culpam o Irã. 

O secretário norte-americano de Estado, Mike Pompeo, descreveu o ataque do fim de semana, que reduziu pela metade a produção de petróleo saudita, como um ato de guerra e vem discutindo uma possível retaliação com a Arábia Saudita e outros aliados do Golfo.  

Na quarta-feira, Trump fez uma observação cautelosa, dizendo que havia muitas opções antes da guerra com o Irã, que nega envolvimento nos ataques de 14 de setembro. Ele ordenou mais sanções contra Teerã.  

O ministro das Relações Exteriores do Irã, Javad Zarif, disse à CNN que a República Islâmica "não piscará" se tiver que se defender de qualquer ataque militar dos EUA ou da Arábia Saudita, que, segundo ele, levaria a "guerra total".  

Anteriormente, Zarif tinha acusado Pompeo de fazer parte do chamado "time B", que Teerã diz incluir o príncipe herdeiro da Arábia Saudita e está tentando convencer Trump a optar pela guerra.  

Pompeo disse na quarta-feira que o ataque foi "de uma escala que nunca vimos antes".  “Os sauditas foram a nação atacada. Estava no solo deles. Foi um ato de guerra contra eles diretamente ”, disse Pompeo a repórteres antes de se encontrar com o príncipe herdeiro saudita Mohammed bin Salman.  

O embaixador saudita em Berlim disse que "tudo está sobre a mesa", dizendo à rádio Deutschlandfunk que as opções precisam ser discutidas com cuidado.  

Os Emirados Árabes Unidos seguiram na quinta-feira seu principal aliado árabe, a Arábia Saudita, ao anunciar que se juntariam a uma coalizão global de segurança marítima que Washington tenta construir desde uma série de explosões em navios petroleiros nas águas do Golfo nos últimos meses, que também foram atribuídas a Teerã. 

Pompeo, que chegou aos Emirados Árabes Unidos da Arábia Saudita nesta quinta-feira para conversar com o príncipe herdeiro de Abu Dhabi, elogiou a decisão no Twitter: "Eventos recentes destacam a importância de proteger o comércio global e a liberdade de navegação".  

O movimento houthi do Iêmen, alinhado ao Irã, que está lutando contra uma coalizão militar liderada pela Arábia Saudita, assumiu a responsabilidade pelo ataque a duas plantas de petróleo sauditas, incluindo a maior instalação de processamento do mundo. 

Autoridades dos EUA e da Arábia Saudita rejeitaram a alegação, dizendo que o ataque não tinha vindo do sul.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email