Israel se opõe à ajuda financeira dos EUA a palestinos e diz que medida só 'fortalece o conflito'

Tel Aviv declara ser totalmente contra o suporte financeiro aos palestinos divulgado pelos Estados Unidos na quarta-feira

O muro de separação que isola territórios palestinos
O muro de separação que isola territórios palestinos (Foto: DEBBIE HILL)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Sputnik - Tel Aviv declara ser totalmente contra o suporte financeiro aos palestinos divulgado pelos Estados Unidos na quarta-feira (7), ao afirmar que a ajuda colabora para intensificar o conflito entre árabes e israelenses.

Após divulgação do plano de ajuda de US$ 235 milhões (cerca de R$ 1,3 bilhão) dos EUA para a Palestina, Israel condenou fortemente a ação norte-americana e afirmou que a medida "só ajudaria a perpetuar o conflito israelo-palestino", segundo o The Jerusalem Post.

Desses US$ 235 milhões, US$ 150 milhões (cerca de R$ 836 milhões) serão destinados à Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados da Palestina e do Oriente Próximo (UNRWA, na sigla em inglês), agência de desenvolvimento e assistência humanitária que proporciona cuidados de saúde para mais de 5,7 milhões de palestinos.

Na quarta-feira (7), o embaixador israelense nos Estados Unidos, Gilad Erdan, fez comentários sobre o financiamento em vídeo divulgado em sua conta no Twitter, no qual se diz "desapontando" com o governo norte-americano dizendo que "expressou sua objeção ao Departamento de Estado dos EUA" por acreditar que a UNRWA "não deveria existir no formato atual", pois contém "conteúdo antissemita" em seu material didático. 

Israel se opõe veementemente à renovação do financiamento para UNRWA, uma agência antissemita que incita contra Israel e usa uma definição distorcida de quem é um "refugiado". Em vez de resolver o conflito, a UNRWA o perpetua. Qualquer retorno ao financiamento deve depender de reformas essenciais.

A ajuda faz parte de uma investida diplomática norte-americana mais ampla para reiniciar a relação com os palestinos, que foi totalmente cortada pelo ex-presidente, Donald Trump, em 2018.

Outros US$ 75 milhões (R$ 419 milhões) desse pacote foram destinados à assistência econômica e ao desenvolvimento, e US$ 10 milhões (R$ 55 milhões) foram concedidos a programas de construção da paz. Além desse financiamento, cerca de US$ 40 milhões (R$ 223 milhões) devem ser alocados para as forças de segurança palestinas, se juntando aos US$ 15 milhões (R$ 84,8 milhões), anteriormente divulgados, para ajudar no combate à COVID-19 na Cisjordânia e na Faixa de Gaza.

Meninas refugiadas na Escola Preparatória para Meninas Rimal da Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados da Palestina e do Oriente Próximo (UNRWA) na Cidade de Gaza (foto de arquivo)

Ao falar sobre o financiamento ontem (7), o secretário de Estado, Antony Blinken, também aproveitou para reiterar o posicionamento a favor do governo norte-americano para criação de dois Estados, um israelense e outro palestino.

"Planejamos reiniciar a assistência econômica, de desenvolvimento e humanitária dos EUA ao povo palestino. Estamos comprometidos com o avanço da prosperidade, segurança e liberdade para israelenses e palestinos de maneiras tangíveis no prazo imediato, o que é importante por si só, mas também como meio de avançar em direção a uma solução negociada de dois Estados", disse o secretário citado pela mídia.

Porém, a restauração do financiamento não inclui assistência financeira direta à Autoridade Nacional Palestina (ANP). 

Ao que parece, o flerte de Jerusalém com Washington, bastante intenso durante o governo de Donald Trump, vem enfraquecendo na medida que a nova administração dos EUA vem trilhando passos diferentes em questões ligadas à Israel. O governo israelense não só é contrário ao financiamento destinados aos palestinos, como não aceita a criação de dois Estados e não apoia o retorno dos EUA ao acordo nuclear, a ponto do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, declarar ontem (7) que "melhores amigos devem saber que Israel não se regerá pelo acordo nuclear do Irã".

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email