Leadsom pede brevidade sobre saída do Reino Unido da UE

Negociações sobre a saída do Reino Unido da União Europeia precisam ser breves para evitar incertezas prolongadas, disse a candidata a primeira-ministra Andrea Leadsom, uma das favoritas na corrida para suceder David Cameron; "Nem nós, nem nossos amigos europeus, precisamos de incertezas prolongadas e nem tudo precisa ser negociado antes que o Artigo 50 seja acionado e o processo de saída esteja concluído", disse

Negociações sobre a saída do Reino Unido da União Europeia precisam ser breves para evitar incertezas prolongadas, disse a candidata a primeira-ministra Andrea Leadsom, uma das favoritas na corrida para suceder David Cameron; "Nem nós, nem nossos amigos europeus, precisamos de incertezas prolongadas e nem tudo precisa ser negociado antes que o Artigo 50 seja acionado e o processo de saída esteja concluído", disse
Negociações sobre a saída do Reino Unido da União Europeia precisam ser breves para evitar incertezas prolongadas, disse a candidata a primeira-ministra Andrea Leadsom, uma das favoritas na corrida para suceder David Cameron; "Nem nós, nem nossos amigos europeus, precisamos de incertezas prolongadas e nem tudo precisa ser negociado antes que o Artigo 50 seja acionado e o processo de saída esteja concluído", disse (Foto: Paulo Emílio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Reuters - As negociações sobre a saída do Reino Unido da União Europeia precisam ser breves para evitar incertezas prolongadas, disse a candidata a primeira-ministra Andrea Leadsom nesta segunda-feira.

Andrea, uma das favoritas na corrida para suceder David Cameron, foi uma liderança importante na campanha para saída da UE. Suas posições diferem da favorita Theresa May, que apoiou a campanha pela permanência e acredita que o Artigo 50, que inicia processos formais de saída da UE, pode não ser invocado antes do ano que vem.

"Pretendo manter as negociações tão breves quanto possível", disse a repórteres. "Nem nós, nem nossos amigos europeus, precisamos de incertezas prolongadas e nem tudo precisa ser negociado antes que o Artigo 50 seja acionado e o processo de saída esteja concluído."

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247