Líder da oposição na Venezuela pede que manifestantes continuem nas ruas

Leopoldo López, que está detido, disse que não se arrepende de ter se entregado voluntariamente após ter sido acusado de atos de violência pelo presidente Nicolás Maduro

Venezuelan opposition leader Leopoldo Lopez speaks to supporters before handing himself over in Caracas February 18, 2014. Lopez, wanted on charges of fomenting deadly violence, handed himself over to security forces on Tuesday, Reuters witnesses said. Lo
Venezuelan opposition leader Leopoldo Lopez speaks to supporters before handing himself over in Caracas February 18, 2014. Lopez, wanted on charges of fomenting deadly violence, handed himself over to security forces on Tuesday, Reuters witnesses said. Lo (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Opera Mundi - O dirigente do partido opositor venezuelano Vontade Popular, Leopoldo López, preso em um presídio militar desde o último dia 18 de fevereiro, insistiu que "a mudança política e social" que reivindica em sua luta contra o presidente Nicolás Maduro, deve ser em paz, "mas na rua". "A mudança só pode chegar pelas mãos de milhões de pessoas na rua, em paz e sem violência, mas na rua", ressaltou em uma entrevista publicada neste domingo (02/03) pelo jornal El Nacional.

O economista, prefeito entre 2000 e 2008 do município de Chacao, epicentro dos protestos que se repetem desde 12 de fevereiro, disse que não se arrepende de ter se entregado voluntariamente após ter sido acusado de atos de violência registrados em uma marcha que terminou com a morte de três pessoas e dezenas de feridos.

López revelou que na penitenciária só pode ser visitado por sua esposa, pais e advogados, e que é impedido ter contato com outros presos. "Sou um preso político, um preso de consciência de Maduro e sua institucionalidade manipulada", afirmou.

Ao El Nacional, López diz está consciente de ter contribuído "com a faísca que acendeu a chama" dos protestos, mas o dirigente político insistiu que a oposição deve manter-se na rua e também estender o protesto a seus locais de estudo e trabalho, entre outros âmbitos. "A rua é o principal palco de luta, mas não o único. A sala de aula, o lugar de trabalho, as filas para comprar alimentos e a família têm também que ser palcos de protesto não violento", declarou.

Como objetivo de curto prazo, López enumerou "exigir justiça" pelas 18 mortes e dezenas de feridos e detidos deixados pelos protestos até agora. Sobre as jornadas de "paz e diálogo" que o governo de Maduro iniciou na semana passada e nas quais conseguiu reunir como interlocutores outros líderes opositores políticos e empresariais, López ressaltou: "Não se pode falar de paz se não há justiça".

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email