Macri prepara seu PAC e conta com ajuda do BNDES

Presidente eleito na Argentina, Mauricio Macri já traçou o mapa de prioridades em matéria de infraestrutura, que prevê desafogar as congestionadas ruas, portos e transportes de massa no país vizinho; chamado por ele de "plano de infraestrutura mais importante da história da Argentina", a espécie de PAC argentino deve contar com créditos já assinados pelo brasileiro BNDES, além do BID e do Banco Mundial

Presidente eleito na Argentina, Mauricio Macri já traçou o mapa de prioridades em matéria de infraestrutura, que prevê desafogar as congestionadas ruas, portos e transportes de massa no país vizinho; chamado por ele de "plano de infraestrutura mais importante da história da Argentina", a espécie de PAC argentino deve contar com créditos já assinados pelo brasileiro BNDES, além do BID e do Banco Mundial
Presidente eleito na Argentina, Mauricio Macri já traçou o mapa de prioridades em matéria de infraestrutura, que prevê desafogar as congestionadas ruas, portos e transportes de massa no país vizinho; chamado por ele de "plano de infraestrutura mais importante da história da Argentina", a espécie de PAC argentino deve contar com créditos já assinados pelo brasileiro BNDES, além do BID e do Banco Mundial (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Guido Nejamkis, 247 – O presidente eleito na Argentina, Mauricio Macri, que deve assumir o posto nesta quinta-feira 10 no lugar de Cristina Kirchner, já traçou o mapa de prioridades em matéria de infraestrutura e vem chamando seu projeto de o "plano de infraestrutura mais importante da história da Argentina".

O plano, uma espécie de PAC brasileiro, prevê desafogar as congestionadas ruas, portos e transportes de massa no país vizinho. E conta com créditos já assinados pelo brasileiro Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), além do BID e do Banco Mundial.

Engenheiro, Macri encarregou o futuro ministro de Transporte, Guillermo Dietrich, de formar quatro equipes de trabalho para consolidar o projeto. O PAC do novo presidente argentino visa renovar as deterioradas estradas argentinas, melhorar o acesso de caminhões ao estratégico porto de Rosario (cuja área de influência comporta o maior centro de processamento de soja do mundo) e modernizar os aeroportos do país, em vários casos em colapso.

"Vias navegáveis, trens, aeroportos, energia. Há muitas cosas para se investir", disse o presidente eleito. "Para estas infraestruturas, sempre há créditos", completou. Segundo Macri, "há que resolver o nó de Rosario. As horas que se perdem (pelos caminhões parados) são pagas pelo produtor. Não há entrada ao porto. Isso irá mudar".

Macri disse já ter conversado sobre o assunto com a presidente brasileira, Dilma Rousseff. "A presidente Dilma me disse: temos um montante de créditos aprovados no BNDES, que é um banco enorme de fomento e desenvolvimento de Brasil, para investir na ferrovia Sarmiento e em linhas de energia", disse Macri.

Em declarações recentes a um programa de televisão, Macri reiterou a aposta de reforçar a aliança estratégica com o Brasil, onde esteve recentemente e se reuniu com a presidente Dilma e com empresários na Fiesp. Questionado sobre a situação institucional que enfrenta a presidente brasileira, ele disse que "o clima no Brasil não é bom. Para nós, isso não é bom. Somos sócios, temos que potencializar essa sociedade". Apesar da situação de turbulência, Macri afirmou ter visto "uma Dilma combativa, firme, com forte caráter".

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247