Milhares vão às ruas em apoio a Cristina Kirchner e param Buenos Aires

Dezenas de milhares de apoiadores da ex-presidente argentina bateram tambores e fecharam o trânsito em Buenos Aires nesta quarta-feira, 13, dia em que Cristina Kirchner iria prestar depoimento em um caso sobre irregularidades no banco central durante seu mandato; manifestantes gritaram "iremos voltar" ao governo e "se tocarem em Cristina, vamos criar o caos", à medida que marcharam em grupos pelo centro da cidade; protestos ocorrem em um momento crítico para o atual presidente Mauricio Macri, cuja popularidade está caindo pela adoção de políticas impopulares

Dezenas de milhares de apoiadores da ex-presidente argentina bateram tambores e fecharam o trânsito em Buenos Aires nesta quarta-feira, 13, dia em que Cristina Kirchner iria prestar depoimento em um caso sobre irregularidades no banco central durante seu mandato; manifestantes gritaram "iremos voltar" ao governo e "se tocarem em Cristina, vamos criar o caos", à medida que marcharam em grupos pelo centro da cidade; protestos ocorrem em um momento crítico para o atual presidente Mauricio Macri, cuja popularidade está caindo pela adoção de políticas impopulares
Dezenas de milhares de apoiadores da ex-presidente argentina bateram tambores e fecharam o trânsito em Buenos Aires nesta quarta-feira, 13, dia em que Cristina Kirchner iria prestar depoimento em um caso sobre irregularidades no banco central durante seu mandato; manifestantes gritaram "iremos voltar" ao governo e "se tocarem em Cristina, vamos criar o caos", à medida que marcharam em grupos pelo centro da cidade; protestos ocorrem em um momento crítico para o atual presidente Mauricio Macri, cuja popularidade está caindo pela adoção de políticas impopulares (Foto: Aquiles Lins)

BUENOS AIRES (Reuters) - Dezenas de milhares de apoiadores da ex-presidente argentina bateram tambores e fecharam o trânsito em Buenos Aires nesta quarta-feira, à medida que seguiam em direção ao tribunal onde ela iria prestar depoimento em um caso sobre irregularidades no banco central durante seu mandato.

Cristina Kirchner, que deixou o cargo em dezembro após governar por oito anos, é uma figura reverenciada por muitos por conta de programas sociais e odiada por outras pelas intervenções na economia.

Ela apareceu em Buenos Aires pela primeira vez em quatro meses na segunda-feira e iria testemunhar nesta quarta-feira em um caso sobre venda de dólar futuro no banco central em taxas abaixo do mercado durante seu mandato, custando bilhões de dólares ao setor público.

Cristina, de 63 anos, também foi acusada por um procurador na semana passada de lavagem de dinheiro, após testemunho de um empresário. Sob a lei argentina, um juiz ainda precisa determinar se aceita a acusação para iniciar uma investigação.

Os apoiadores de Cristina gritaram "iremos voltar" ao governo e "se tocarem em Cristina, vamos criar o caos", à medida que marcharam em grupos pelo centro da cidade. Muitos chegaram de trem e ônibus de outros subúrbios e cidades, carregando faixas e bandeiras argentinas.

Os protestos ocorrem em um momento crítico para o atual presidente Mauricio Macri, cuja popularidade está caindo pela adoção de políticas impopulares.

Conheça a TV 247

Mais de Mundo

Ao vivo na TV 247 Youtube 247