Ministro da Defesa da Venezuela diz que militares estão dispostos a dar a vida pelo país

O ministro da Defesa da Venezuela, Vladimir Padriño López, declarou que as Forças Armadas da Venezuela estão dispostas a dar suas vidas para defender a Constituição do país; enquanto isso, o parlamento do país, a Assembleia Nacional, que é controlada pela oposição, aprovou dois decretos, um para classificar o chefe de Estado como "usurpador", e outro para oferecer anistia a militares e civis para que se pronunciem em favor da "restauração da democracia"

Ministro da Defesa da Venezuela diz que militares estão dispostos a dar a vida pelo país
Ministro da Defesa da Venezuela diz que militares estão dispostos a dar a vida pelo país
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247, com Sputnik - O ministro da Defesa da Venezuela, Vladimir Padriño López, declarou que as Forças Armadas da Venezuela estão dispostas a dar suas vidas para defender a Constituição do país.

"As Forças Armadas Bolivarianas que estão dispostas a morrer para defender essa Constituição, esse povo, essas instituições, você como magistrado supremo, presidente constitucional da República Bolivariana da Venezuela, que colocou lá as pessoas", disse ele ao presidente venezuelano, Nicolás Maduro nesta terça-feira.

Padriño López participou de uma reunião na sede do Comando Estratégico Operacional com Maduro, na qual estavam presentes também os diretores dos diferentes órgãos de inteligência do país.

O ministro destacou destacou que as Forças Armadas venezuelanas reconhecem o novo mandato do presidente de Nicolás Maduro, que dura até 2025.

Enquanto isso, o parlamento do país, a Assembleia Nacional, que é controlada pela oposição, aprovou dois decretos, um para classificar o chefe de Estado como um "usurpador", e outro para oferecer anistia a militares e civis para que se pronunciem em favor da "restauração da democracia".

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247