Odebrecht nega pagamento de US$100 milhões a aliado de Maduro

A empreiteira Odeebrecht negou as denúncias feitas pela procuradora-geral da Venezuela, Luísa Ortega, segundo a qual a empresa brasileira teria pago US$ 100 milhões ao vice-presidente do Partido Socialista Unido da Venezuela, Diosdado Cabello; Luisa Ortega fugiu da Venezuela em agosto de 2017 após se rebelar contra o governo, mas não apresentou evidências da acusação    

Odebrecht nega pagamento de US$100 milhões a aliado de Maduro
Odebrecht nega pagamento de US$100 milhões a aliado de Maduro (Foto: HANDOUT)

Reuters - A empreiteira brasileira Odebrecht negou acusações de que teria pago 100 milhões de dólares ao vice-presidente do Partido Socialista da Venezuela, Diosdado Cabello, conforme denunciou a ex-procuradora-chefe do país.

Luisa Ortega, que fugiu da Venezuela no mês passado depois de se rebelar contra o governo e perdeu seu cargo, fez a acusação em Brasília duas semanas atrás, mas não apresentou evidências.

No ano passado, a Odebrecht admitiu, em um acordo com promotores brasileiros e norte-americanos, o pagamento de propinas a autoridades em 12 países, com o objetivo de obter contratos.

Em comunicado na quarta-feira, a empreiteira nega que teria pago propina ao político venezuelano Diosdado Cabello.

“Após conduzir uma pesquisa abrangente dos seus sistemas e declarações dadas por ex-membros da equipe que colaboraram (nas investigações), a Odebrecht nega as acusações de que fez pagamento de 100 milhões de dólares a...Cabello”, informou o documento.

Luisa Ortega havia dito que o pagamento foi feito por meio da companhia espanhola TSE Arietis. A Odebrecht nega pagamento à empresa.

De acordo com uma decisão judicial nos Estados Unidos, entre 2001 e 2016, a Odebrecht pagou cerca de 788 milhões de dólares em propinas em países que incluem Brasil, Argentina, Colômbia, México e Venezuela.

 
 

 

Conheça a TV 247

Mais de Mundo

Ao vivo na TV 247 Youtube 247