ONU: crise do coronavírus pode fazer fome quase dobrar no mundo este ano

O número de pessoas que enfrentam insegurança alimentar aguda pode quase dobrar este ano, para 265 milhões, de acordo com o Programa Mundial de Alimentos (PMA) das Nações Unidas

(Foto: Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

GENEBRA (Reuters) - O número de pessoas que enfrentam insegurança alimentar aguda pode quase dobrar este ano, para 265 milhões, devido às consequências econômicas do COVID-19, afirmou nesta terça-feira o Programa Mundial de Alimentos (PMA) das Nações Unidas.

Prevê-se que o impacto da perda de receitas turísticas, remessas em queda e viagens e outras restrições relacionadas à pandemia de coronavírus deixe este ano cerca de 130 milhões de pessoas com muita fome neste ano, somando cerca de 135 milhões já nessa categoria.

"O COVID-19 é potencialmente catastrófico para milhões que já estão presos a um fio", disse Arif Husain, economista-chefe e diretor de pesquisa, avaliação e monitoramento do Programa Mundial de Alimentos (PMA). 

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247