ONU diz que eleição não é confiável e pede inquérito sobre Venezuela

Chefe de direitos humanos da Organização das Nações Unidas (ONU), Zeid Ra'ad al-Hussein, disse que crimes contra a humanidade têm sido cometidos na Venezuela, e expressou preocupação com "a erosão de instituições democráticas" no país; contexto da eleição presidencial da Venezuela, prevista para o dia 20 de maio —que a oposição está boicotando em desafio ao presidente Nicolás Maduro— "não cumpre, de maneira nenhuma, as condições mínimas para eleições livres e confiáveis", disse Zeid Ra'ad al-Hussein 

Chefe de direitos humanos da Organização das Nações Unidas (ONU), Zeid Ra'ad al-Hussein, em Genebra, na Suíça 26/02/2018 REUTERS/Denis Balibouse
Chefe de direitos humanos da Organização das Nações Unidas (ONU), Zeid Ra'ad al-Hussein, em Genebra, na Suíça 26/02/2018 REUTERS/Denis Balibouse (Foto: Paulo Emílio)

Reuters - O chefe de direitos humanos da Organização das Nações Unidas (ONU), Zeid Ra'ad al-Hussein, disse nesta quarta-feira que crimes contra a humanidade têm sido cometidos na Venezuela, e expressou preocupação com "a erosão de instituições democráticas" no país.

O contexto da eleição presidencial da Venezuela, prevista para o dia 20 de maio —que a oposição está boicotando em desafio ao presidente Nicolás Maduro— "não cumpre, de maneira nenhuma, as condições mínimas para eleições livres e confiáveis", disse Zeid Ra'ad al-Hussein ao Conselho de Direitos Humanos da ONU.

"Mais uma vez, eu encorajo o conselho a considerar autorizar uma Comissão de Inquérito para investigar violações de direitos humanos na Venezuela", disse ao fórum de Genebra, onde a Venezuela é um dos 47 Estados membros.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247