País que rejeitar asilo terá que pagar 250 mil euros

Comissão Europeia apresentou novo sistema de asilo que prevê "contribuição solidária" de 250 mil euros por cada candidato à proteção internacional não aceito pelos Estados-Membros que estejam fora do sistema de recolocação; proposta prevê um "sistema mais justo, baseado na solidariedade" e que será ativado automaticamente quando um país enfrenta "número desproporcionado de candidaturas para asilo", ou seja, mais de 150% do número de referência

Comissão Europeia apresentou novo sistema de asilo que prevê "contribuição solidária" de 250 mil euros por cada candidato à proteção internacional não aceito pelos Estados-Membros que estejam fora do sistema de recolocação; proposta prevê um "sistema mais justo, baseado na solidariedade" e que será ativado automaticamente quando um país enfrenta "número desproporcionado de candidaturas para asilo", ou seja, mais de 150% do número de referência
Comissão Europeia apresentou novo sistema de asilo que prevê "contribuição solidária" de 250 mil euros por cada candidato à proteção internacional não aceito pelos Estados-Membros que estejam fora do sistema de recolocação; proposta prevê um "sistema mais justo, baseado na solidariedade" e que será ativado automaticamente quando um país enfrenta "número desproporcionado de candidaturas para asilo", ou seja, mais de 150% do número de referência (Foto: Paulo Emílio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Lusa - A Comissão Europeia apresentou hoje (4) novo sistema de asilo que prevê "contribuição solidária" de 250 mil euros por cada candidato à proteção internacional não aceito pelos Estados-Membros que estejam fora do sistema de recolocação.

Na proposta, a comissão prevê um "sistema mais justo, baseado na solidariedade" e que será ativado automaticamente quando um país enfrenta "número desproporcionado de candidaturas para asilo", ou seja, mais de 150% do número de referência.

Nesse cenário, os novos candidatos ao estatuto de refugiado nesse país, independentemente da sua nacionalidade, serão recolocados. Se um Estado-Membro quiser ficar de fora deverá fazer uma "contribuição solidária de 250 mil euros por cada candidato" que deveria acolher. A contribuição será dada ao país que receber os candidatos.

Segundo a divulgação da proposta de revisão do sistema de Dublin, esse será um sistema "mais eficiente", ao garantir prazos mais curtos para os diferentes passos do mecanismo, como 15 dias para decidir recursos a decisões.

"O fim dos prazos já não resultará numa alteração de responsabilidade entre os Estados-Membros, que poderia levar ao desrespeito das regras e à obstrução dos procedimentos. Sob as novas medidas, um Estado-Membro contínua responsável" no processo, diz nota divulgada pela Comissão Europeia.

O novo sistema vai "prevenir abusos", principalmente ao impedir múltiplas candidaturas e prevenir migrações secundárias irregulares, ao definir os direitos de recepção apenas no país de acolhimento, excetuando casos de emergência.

"Pela primeira vez são introduzidas obrigações legais claras para os candidatos", disse a CE, acrescentando que os candidatos não podem escolher o país que preferem.

O novo sistema deverá "proteger os interesses dos candidatos a asilo", ao garantir que não haverá transferências enquanto ocorrem os recursos e o reforço dos direitos dos menores não acompanhados.

"O direito da reunificação familiar será reforçado", garantiu a comissão, indicando que haverá ampliação a irmãos e a famílias formadas em países de trânsito.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247