Pesquisa aponta apoio crescente a Biden sobre Trump em três estados decisivos

Levantamento feito entre 15 e 20 de abril em Michigan, Wisconsin e Pensilvânia, mostrou que 45% dos eleitores registrados disseram que apoiariam Biden, o virtual indicado do Partido Democrata, enquanto 39% disseram que apoiariam Trump

Joe Biden e Donald Trump
Joe Biden e Donald Trump (Foto: Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

NOVA YORK (Reuters) - O presidente dos Estados Unidos, o republicano Donald Trump, está atrás do democrata Joe Biden entre os eleitores registrados em três Estados nos quais venceu por estreita margem em 2016 e são considerados cruciais para vencer as eleições de novembro, segundo pesquisa de opinião da Ipsos a pedido da Reuters. 

A pesquisa, conduzida entre 15 e 20 de abril em Michigan, Wisconsin e Pensilvânia, mostrou que 45% dos eleitores registrados disseram que apoiariam Biden, o virtual indicado do Partido Democrata, enquanto 39% disseram que apoiariam Trump. 

A consulta também concluiu que Biden, vice-presidente do antecessor de Trump, Barack Obama, tem uma vantagem de 3 pontos percentuais entre os eleitores registrados em Wisconsin, 6 pontos na Pensilvânia e 8 pontos no Michigan. 

A pesquisa da Ipsos também mostra que Biden manteve ou aprimorou ligeiramente sua liderança sobre Trump nesses locais nos últimos meses, mesmo com sua campanha e as eleições primárias ofuscadas pelo coronavírus. Os Estados Unidos tem o maior número de casos e mortes no mundo, com 821 mil pessoas infectadas e pelo menos 46 mil mortos. 

A vantagem de Biden no Michigan, Wisconsin e Pensilvânia sobre Trump foi de em média 3 a 4 pontos percentuais em fevereiro e março, de acordo com uma consolidação de resultados de pesquisas pela Real Clear Politics.

Isso sugeriria também que Trump não teve aumento de apoio nesses Estados, mesmo garantindo a atenção pública com o comando da resposta federal à crise do coronavírus e tentando se projetar como um “presidente em tempos de guerra” combatendo um inimigo invisível.

Outra pesquisa Reuters/Ipsos de terça-feira mostrou Biden oito pontos àfrente de Trump nacionalmente, com o apoio ao democrata subindo em todo o país nas últimas três semanas enquanto a desaprovação à resposta de Trump à pandemia cresceu. 

Mas muita coisa pode acontecer até as eleições de 3 de novembro. Pesquisas estaduais em 2016 mostravam que a democrata Hillary Clinton tinha vantagem ampla sobre Trump no início do ciclo eleitoral nos mesmos estados em que perdeu na eleição. Em todos, a derrota foi por menos de um ponto percentual. 

Trump ainda é um pouco mais popular nos Estados decisivos do que Biden no âmbito nacional, em parte graças ao apelo a eleitores brancos da classe trabalhadora. 

Ainda assim, o número de eleitores registrados que desaprovam Trump superam numericamente os que o aprovam em todos os três estados, segundo a Ipsos. Em Wisconsin, 47% aprovam o presidente, enquanto 53% desaprovam. Na Pensilvânia, 48% aprovam e 52% desaprovam, e no Michigan, 44% aprovam e 56% desaprovam. 

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo APOIA.se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247