Piñera reconhece abusos na repressão ao povo chileno

“Acho que houve excessos, abusos, descumprimento dos protocolos, descumprimento das regras de uso da força, mau julgamento ou crimes”, afirmou Piñera

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

SANTIAGO (Reuters) - O presidente chileno, Sebastián Piñera, reconheceu “abusos” no enfrentamento a grandes protestos sociais que abalaram o país por três semanas, mas não culpou a polícia ou os militares em uma entrevista publicada neste sábado em um jornal local.

Piñera disse que qualquer ato de abuso seria investigado e processado e que seu governo, a polícia e as Forças Armadas “sempre tiveram um compromisso” de respeitar os direitos humanos, em entrevista ao jornal chileno El Mercurio.

Os protestos que começaram após uma alta nas tarifas de metrô rapidamente se transformaram em tumultos violentos, com saques e incêndios, com manifestantes em massa exigindo o fim das injustiças sociais e da desigualdade.

“Acho que houve excessos, abusos, descumprimento dos protocolos, descumprimento das regras de uso da força, mau julgamento ou crimes”, afirmou Piñera.

Questionado se estava se referindo a abusos cometidos pelos Carabineros - a polícia uniformizada - ou pelas Forças Armadas, Piñera disse: “Não sou o juiz, mas também observo”.

Ele também afirmou que quaisquer abusos serão processados.

O Ministério Público anunciou nesta semana que abrirá uma investigação por tortura contra 14 policiais.

Piñera também disse que seu governo está preparando um projeto de reforma constitucional para “definir melhor os direitos do povo” e “as obrigações do Estado”, embora ele não tenha definido prazos para enviá-lo ao Congresso para discussão.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247