Porta-aviões dos EUA chega às Filipinas, em meio a disputas com a China

O porta-aviões estadunidense USS Ronald Reagan realiza uma visita às Filipinas em meio à crescente tensão na região do mar do sul da China

O porta-aviões estadunidense USS Ronald Reagan realiza uma visita às Filipinas em meio à crescente tensão na região do mar do sul da China
O porta-aviões estadunidense USS Ronald Reagan realiza uma visita às Filipinas em meio à crescente tensão na região do mar do sul da China (Foto: Reinaldo)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247, com HispanTV - O USS Ronald Reagan, o mais avançado porta-aviões dos Estados Unidos, atracou na terça-feira (26) em Manila, capital das Filipinas, depois de navegar por águas que são objeto de disputa entre a China e vários países da região.

O comandante do grupo de ataque do USS Ronald Reagan, Marc Dalton, disse que a presença do nacio de guerra se destina a assegurar aos aliados de Washington que os Estados Unidos terão uma presença duradoura na região.

"Os países que estão preocupados com o compromisso dos Estados Unidos podem considerar a presença rotineira do grupo de ataque do USS Ronald Reagan como um consolo", afirmou Dalton aos jornalistas a bordo do navio de guerra da classe Nimitz de propulsão nuclear.

A visita de quatro dias do USS Ronald Reagan às Filipinas, a terceira de um porta-aviões estadunidense ao país ou às águas próximas desde meados de fevereiro, ocorre em meio às crescentes tensões entre Pequim e Washington pelo aumento da presença militar no mar do sul da China.

Neste contexto, Dalton afirmou que os Estados Unidos manterão sua presença nesse mar apesar das novas ações da China na região. "A Marinha dos Estados Unidos leva a cabo essas patrulhas rotineiramente e continuaremos fazendo-as", acrescentou.

Na própria terça-feira, o sítio oficial de internet das Forças Armadas chinesas, anunciou que desde o dia 17 de junho, uma formação de navios da Marinha chinesa, incluindo uma fragata Tipo 054A e um destroier Tipo 052C, realizaram exercícios militares nas proximidades de Taiwan, inclusive no canal Bashi — que separa Taiwan das Filipinas — no estreito de Taiwan.

"Os exercícios provaram as capacidades militares e de treinamento dos navios de guerra, aviação e defesa costeira, através da organização de treinamento de combate real em múltiplas áreas do oceano", acrescentou, sem dizer se os exercícios já terminaram.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247