Presidente eleito do Chile, Gabriel Boric, faz discurso histórico em defesa da democracia

"Sinto-me herdeiro de uma longa trajetória histórica, a daqueles que, de diferentes posições, incansavelmente buscaram a justiça social", disse Gabriel Boric

www.brasil247.com -
(Foto: Foto: Reprodução)


La Tercera - “Somos uma unidade. Nós somos esperança. Somos mais quando estamos juntos. Nós continuamos". Com essas breves palavras e uma fotografia com sua sócia, Irina Karamanos, Gabriel Boric fez suas primeiras declarações ao público como presidente eleito por meio do Twitter.

No segundo turno, o deputado de Magalhães tornou-se o mais jovem presidente eleito e o candidato com maior número de votos da história do Chile ao vencer José Antonio Kast (Frente Social Cristã) com 54% e 4,6 milhões de votos a seu favor.

Depois veio um amplo discurso - o primeiro como chefe de Estado eleito - que proferiu em palco da Alameda, perto de Santa Rosa, num maciço encontro com apoiadores.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Ali, ele descreveu a vitória como “categórica” e fez um apelo aos que o apoiaram: “O compromisso de meses não se deve esgotar numa eleição, deve ser visto em todos os anos de governo, para que todos apoiemos o processo de mudanças que vamos realizar passo a passo”, destacou.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Ressaltando a importância de se chegar a "amplos acordos", ele piscou para os discursos dos ex-presidentes Salvador Allende e Patricio Aylwin e declarou que avançará em "mudanças estruturais", mas com "responsabilidade fiscal" e se declarou como "herdeiro", destacando que "a história não compartilha conosco".

Sobre um dos pontos-chave, afirmou: “chegamos até aqui com um projeto de governo que se pode sintetizar em poucas palavras: avançar com responsabilidade nas mudanças que o Chile vem exigindo, sem deixar ninguém para trás”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Sem mencionar explicitamente o apoio expresso pelos ex-presidentes da Concertación, Michelle Bachelet e Ricardo Lagos, durante a campanha do segundo turno, Boric fez gestos para a construção de governos anteriores. “Eu sei que a história não começa conosco. Sinto-me herdeiro de uma longa trajetória histórica, a daqueles que, de diferentes posições, incansavelmente buscaram a justiça social, a expansão da democracia, a defesa dos direitos humanos, a proteção das liberdades. Esta é a minha grande família, que gostaria de ver reunida nesta fase que agora iniciamos”, afirmou o parlamentar, agora presidente eleito.

Outro eixo de sua fala foi o apelo ao diálogo com todos os setores disponíveis e a ênfase nos avanços graduais.

“O progresso, para ser sólido, deve ser fruto de amplos acordos. E que, para durar, devem ser sempre passo a passo, graduais, para não inviabilizar ou arriscar o que cada família conquistou com seu esforço”, afirmou.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Nesse sentido, garantiu que será “o presidente de todos os chilenos” e reconheceu que “os tempos que virão não serão fáceis.Teremos que enfrentar as consequências sociais, econômicas e de saúde da pior pandemia que nosso país viveu em mais de um século. Vai ser difícil, sem dúvida, mas vamos avançar com passos curtos mas firmes, aprendendo com a nossa história”.

No quadro da necessidade de diálogo, Boric apontou também a realidade legislativa que vai enfrentar. “Teremos um Congresso equilibrado, o que por sua vez significa um convite e uma obrigação de diálogo. Sinceramente, vejo como uma oportunidade de nos reunirmos novamente, de nos unirmos em grandes ações pelo bem-estar de nosso país, de chegarmos a acordos amplos e duradouros que melhorem a qualidade de vida de nossos compatriotas”, disse.

“Confio na responsabilidade de todas as forças políticas de manter as diferenças no quadro das ideias, colocar sempre o bem comum em primeiro lugar e rejeitar clara e inequivocamente a violência na política e na nossa vida em sociedade. Saiba que em mim você encontrará um presidente aberto a ouvir e incorporar diferentes visões, sendo também receptivo a críticas construtivas que nos ajudem a melhorar”, acrescentou.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Em mais de um momento de sua fala ele destacou que transformações profundas devem ser realizadas, mas sempre com responsabilidade, em prol do crescimento econômico do país.

“Chegamos até aqui com um projeto de governo que se pode sintetizar em poucas palavras: avançar com responsabilidade nas mudanças que o Chile vem exigindo, sem deixar ninguém para trás. Isso significa crescer economicamente; converter o que alguns entendem como bens de consumo em direitos sociais, garantir uma vida mais tranquila e segura, aprofundar as liberdades de todos e, principalmente, de todos: em nosso governo as mulheres não recuarão nos direitos e liberdades que conquistaram no longo prazo história”, declarou Boric.

Outro eixo foi a ampliação dos direitos sociais, mas com responsabilidade fiscal: “Nesta noite de triunfo repito o compromisso que assumimos ao longo da campanha: vamos ampliar os direitos sociais e o faremos com responsabilidade fiscal, o faremos ao mesmo tempo em que estaremos cuidando da nossa macroeconomia. Faremos bem e isso permitirá melhorar as pensões e a saúde sem ter que voltar no futuro”.

Para além de reforçar o apelo à celebração de acordos, o presidente eleito dirigiu um gesto a todos os que com ele competiram nestas eleições. “Quero agradecer a todos os candidatos que participaram desta eleição, porque finalmente fazemos democracia juntos e precisamos de cada um. A Yasna Provoste, Sebastián Sichel, Marco Enríquez-Ominami, Franco Parisi, Eduardo Artes e José Antonio Kast. Sim, também a José Antonio Kast!”.

Essa última parte de seu discurso - em meio a vaias de seus adeptos - foi interpretada como um aceno ao histórico discurso de Patricio Aylwin no Estádio Nacional quando se tornou o primeiro presidente do retorno à democracia e, para descontentamento dos presentes, frisou sobre os tempos que virão: “Sim senhores, sim compatriotas, civis ou militares. O Chile é um só!”.

Além disso, no final do seu discurso citou explicitamente o discurso de Salvador Allende após o triunfo da Unidade Popular em 1970. “Volte para casa com a alegria saudável da vitória limpa alcançada. Peço que cuidem desse triunfo, que a partir de amanhã teremos muito o que trabalhar para nos reencontrar, curar feridas e caminhar para um futuro melhor”, disse Boric.

“O nosso projeto significa também avançar em mais democracia e, claro e como já o dissemos aqui, cuidar do processo constituinte, motivo de orgulho mundial e única forma de construir, em democracia e com todos, um país melhor, "disse Boric. Disse ainda que “pela primeira vez na nossa história estamos a escrever uma Constituição de forma democrática e conjunta, com a participação dos povos indígenas. Vamos todos cuidar desse processo para termos uma Carta Magna que seja de encontro e não de divisão”.

Seguindo um dos eixos que marcaram a campanha de Boric no segundo turno, o deputado destacou a relevância do combate ao narcotráfico e à violência.

“A emergência de segurança que vivemos, tornando os bairros mais seguros e livres de drogas, colocando a cultura no lugar que merece e não como vagão, dignificando seus trabalhadores, expandindo o esporte, promovendo a ciência, avançando Rumo a uma nova relação com os povos indígenas, reconhecer o seu direito de ver o mundo a partir de outras perspectivas linguísticas e culturais e prestar especial atenção ao cuidado do meio ambiente farão parte das nossas tarefas”, explicou.

Boric dedicou uma longa passagem de seu discurso a aspectos que Kast questionou durante a campanha.

Assim, afirmou: “Obrigado às mulheres do país. Que eles se organizaram em todo o Chile para defender os direitos que têm sido tão difíceis para eles alcançarem. Do direito de voto ao direito de decidir sobre o seu próprio órgão. Do direito à não discriminação em função do tipo de família que decidiram constituir, ao reconhecimento pelo cuidado que hoje desempenham. Conte conosco. Vocês serão protagonistas do nosso governo”. Nesse ponto, o trabalho de seu gerente de campanha, Izkia Siches, se destacou.

Ele também disse, sobre "os dissidentes e diversidades" há muito discriminados "que" têm sido discriminados por muito tempo e nesta campanha viram os poucos avanços que fizeram ameaçados: em nosso governo, a não discriminação e o fim da violência contra as diversidades e as mulheres junto com as organizações feministas serão fundamentais”.

Boric também insistiu que “a desestabilização das instituições democráticas leva diretamente ao reinado do abuso, à lei da selva e ao sofrimento e desamparo dos mais fracos. Vamos cuidar da democracia, todos os dias, todos os dias”.

E então ele enfatizou que “o respeito pelos direitos humanos deve ser sempre e em toda parte um compromisso inabalável e nunca, por qualquer motivo, um presidente deve declarar guerra ao seu próprio povo. Verdade, justiça, reparação e não repetição”.

Ao longo do discurso disse ainda que vai cuidar da democracia todos os dias.

Por fim, Boric também destacou o Servel “pelo trabalho impecável” durante o dia: “Simboliza o Estado de que precisamos: eficaz, imparcial, justo. À mídia nacional e regional, por levar informações aos lugares mais remotos. A imprensa livre é o alicerce essencial da democracia e você é o seu veículo”.

Da mesma forma, abordou os problemas de transporte público durante o dia: “Também, claro, aos milhares de pessoas que quiseram comparecer para votar e não puderam por falta de transporte público. Não pode voltar a acontecer que num dia tão importante as pessoas sejam privadas de exercer o seu direito de voto”.

Horas antes de o presidente eleito falar, seu gerente de campanha, Izkia Siches, disse: “Estamos felizes e muito felizes, a esperança triunfou em nosso país e queremos transmitir a todos os chilenos o grande senso de responsabilidade pelo que está acontecendo ser um governo de unidade e construção ”.

“Reconhecemos este Chile diverso e amplo que Gabriel Boric sem dúvida poderá representar (...) Foi decisivo fazer uma campanha muito mais cidadã (...) para percorrer as regiões que se sentiram negligenciadas. Inúmeras figuras aderiram a este compromisso. É um triunfo coletivo e agradecemos a cada um dos eleitores que permitiu a Gabriel Boric ser o próximo presidente do Chile”, acrescentou o ex-presidente da Colmed.

Por sua vez, Giorgio Jackson, coordenador político do Boric, afirmou: “A candidatura de José Antonio Kast fez um apelo em que reconheceu o triunfo do presidente eleito Gabriel Boric e manifestou a sua intenção de reconhecer este resultado e também, segundo o seu palavras, estar disponível para dar sinais importantes para sair da polarização que foi uma campanha que acabamos de vivenciar”.

“Haverá momentos de conversa em que ambos poderão, além de reconhecer os resultados, poder compartilhar algumas impressões do processo. Independentemente das diferenças, existe um espírito cívico que incentiva essa conversa”, concluiu a este respeito.

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email