Primeiro acordo do Vaticano com 'Estado Palestino' irrita Israel

O Vaticano assinou o primeiro acordo com o "Estado Palestino" nesta sexta-feira, pedindo "decisões corajosas" para acabar com o conflito israelense-palestino e apoiar uma solução entre os dois Estados; aacordo, que tornou oficial o reconhecimento da Palestina pelo Vaticano desde 2012, não agradou Israel, que chamou de "um passo precipitado que danifica as perspectivas de avanço para um acordo de paz"

Papa Francisco discursa durante audiência na Praça São Pedro, no Vaticano. 14/06/2015 REUTERS/Giampiero Sposito
Papa Francisco discursa durante audiência na Praça São Pedro, no Vaticano. 14/06/2015 REUTERS/Giampiero Sposito (Foto: Paulo Emílio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Philip Pullella

CIDADE DO VATICANO (Reuters) O Vaticano assinou o primeiro acordo com o "Estado Palestino" nesta sexta-feira, pedindo "decisões corajosas" para acabar com o conflito israelense-palestino e apoiar uma solução entre os dois Estados.

O acordo, que tornou oficial o reconhecimento da Palestina pelo Vaticano desde 2012, não agradou Israel, que chamou de "um passo precipitado que danifica as perspectivas de avanço para um acordo de paz".

Israel também disse que poderia criar problemas com suas futuras relações diplomáticas com o Vaticano.

O acordo, que trata das atividades da Igreja Católica nas áreas controladas pela Autoridade Palestina, também confirmou o papel proativo do Vaticano na política externa sob comando do papa Francisco. No ano passado, o Vaticano participou do resumo de laços entre Estados Unidos e Cuba.

O arcebispo Paul Gallagher, ministro de Relações Exteriores do Vaticano, disse durante a assinatura que esperava que fosse um "estímulo para trazer um fim definitivo para o longo conflito israelense-palestino, que continua causando sofrimento para ambos lados".

O ministro do Exterior palestino, Riad Al-Malki, disse esperar que o acordo ajude no "reconhecimento do direito do povo palestino à autodeterminação, liberdade e dignidade em um Estado independente, livre das algemas da ocupação".

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email