QAnon torna-se global: movimento conspiratório pró-Trump surge na França

Alimentada pela ansiedade global sobre a pandemia do coronavírus, a teoria da conspiração se tornou global, com seguidores surgindo em diferentes países ao redor do mundo

(Foto: Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - QAnon é uma das principais teorias de conspiração de extrema direita da América, de que o mundo é governado por um grupo de pedófilos e adoradores de Satanás enquanto operam uma rede mundial de tráfico sexual infantil.

Nascido das mãos de um misterioso internauta identificado como Q em 2017, a mudança foi em grande parte um fenômeno americano. Ele ganhou muitos seguidores em todo o país norte-americano durante as campanhas presidencial e parlamentar de 2020. QAnon atingiu o auge da notoriedade quando seus seguidores, que acreditavam que um complô secreto com o objetivo de derrubar Trump para impor uma nova ordem mundial, participaram do assalto do Capitólio dos EUA em 6 de janeiro.

No entanto, o movimento aparentemente não está mais focado exclusivamente na política dos Estados Unidos.Alimentada pela ansiedade global sobre a pandemia do coronavírus, a teoria da conspiração se tornou global, com adeptos surgindo em diferentes países. Austrália, Nova Zelândia e Alemanha são algumas das nações onde houve um número crescente de apoiadores desse fenômeno, conforme noticiado pelo The Washington Post em novembro passado.

A derrota eleitoral de Trump nas eleições parece ter apenas reforçado esse processo de disseminação das ideias da teoria em nível global.

Um dos últimos países a confirmar a ascensão do QAnon foi a França, onde a agência estatal responsável por combater os movimentos sectários, MIVILUDES, recebeu vários relatórios que alertaram para o surgimento da teoria da conspiração, informou o Le Figaro.

Ao encomendar uma investigação à Polícia e aos MIVILUDES, a Ministra da Cidadania Marlène Schiappa afirmou que o desenvolvimento de "novos grupos conspiratórios" em solo francês é "muito preocupante", informou ela à França 3 em Janeiro, sublinhando que o Governo "tem o olho colocado "em QAnon.

A porta de entrada para o mundo do QAnon na França

Uma das principais fontes de divulgação das ideias da QAnon na França é o site DéQodeurs, que fornece links para informações, incluindo artigos que trazem notícias falsas, como a alegação infundada de que, em 2016, o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu estava prestes a publicar documentos que comprovavam a existência de uma rede massiva de pedófilos em Washington.

Outra seção oferece vídeos, incluindo um segmento de duas horas declarando falsidades que pretendem fornecer "prova absoluta" de que a fraude eleitoral roubou Donald Trump da vitória na eleição presidencial dos EUA em novembro, falada com uma tradução francesa desajeitadamente sobreposta a uma voz americana.

De acordo com a mídia francesa, a principal figura por trás de DéQodeurs é Léonard Sojili, um cidadão albanês que apareceu pela primeira vez na Internet francesa em 2011, promovendo as conspirações de 11 de setembro. O homem também propaga as teorias de QAnon por meio do canal Thinkerview do YouTube, que tem mais de 770.000 assinantes. Nesta plataforma, ele combina o apoio da teoria da conspiração com entrevistas com importantes figuras francesas de todo o espectro político.

Informações da RT

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email