Região diplomática da capital de Burkina Faso é atacada

Um grupo de homens armados não identificados atacou nesta sexta-feira a área diplomática da capital de Burkina Faso, Ouagadogou, provocando vários incêndios e confrontos com as forças de segurança perto da delegação francesa e do escritório do primeiro-ministro, informou a imprensa local; televisão nacional burquinense (RTB), cujo escritório se encontra ao lado da embaixada da França, afirma que cinco pessoas armadas desceram de uma caminhonete aos gritos de "Allahu Akbar" (Alá é grande) antes de começar a disparar e atear fogo ao veículo

Um grupo de homens armados não identificados atacou nesta sexta-feira a área diplomática da capital de Burkina Faso, Ouagadogou, provocando vários incêndios e confrontos com as forças de segurança perto da delegação francesa e do escritório do primeiro-ministro, informou a imprensa local; televisão nacional burquinense (RTB), cujo escritório se encontra ao lado da embaixada da França, afirma que cinco pessoas armadas desceram de uma caminhonete aos gritos de "Allahu Akbar" (Alá é grande) antes de começar a disparar e atear fogo ao veículo
Um grupo de homens armados não identificados atacou nesta sexta-feira a área diplomática da capital de Burkina Faso, Ouagadogou, provocando vários incêndios e confrontos com as forças de segurança perto da delegação francesa e do escritório do primeiro-ministro, informou a imprensa local; televisão nacional burquinense (RTB), cujo escritório se encontra ao lado da embaixada da França, afirma que cinco pessoas armadas desceram de uma caminhonete aos gritos de "Allahu Akbar" (Alá é grande) antes de começar a disparar e atear fogo ao veículo (Foto: Aquiles Lins)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Agência Brasil - Um grupo de homens armados não identificados atacou nesta sexta-feira a área diplomática da capital de Burkina Faso, Ouagadogou, provocando vários incêndios e confrontos com as forças de segurança perto da delegação francesa e do escritório do primeiro-ministro, informou a imprensa local.

A televisão nacional burquinense (RTB), cujo escritório se encontra ao lado da embaixada da França, afirma que cinco pessoas armadas desceram de uma caminhonete aos gritos de "Allahu Akbar" (Alá é grande) antes de começar a disparar e atear fogo ao veículo.

A RTB fala de um "intenso incêndio na Embaixada da França" e que os agressores "começaram a disparar contra os guardas em sua chegada", enquanto o portal de notícias "Burkina24" fala de um "ataque armado em andamento perto do escritório do primeiro-ministro".

A polícia pediu aos cidadãos que evitem, na medida do possível, as áreas do ataque, enquanto as forças especiais "estão em ação", um apelo ao qual se somou o embaixador francês no país, Xavier Lapdecab.

Em comunicado, as forças de segurança confirmaram que o ataque foi perpetrado nas proximidades do escritório do primeiro-ministro e do edifício das Nações Unidas, região próximo também às embaixadas da Bélgica e da Dinamarca, assim como aos ministérios de Relações Exteriores e Economia.

Outras informações apontam que o quartel-general do exército e o Instituto Francês também são "alvo de ataques simultâneos", e que uma "fumaça intensa" emana das citadas instalações militares, onde, segundo testemunhas, ocorreram fortes explosões.

"Ataque em curso à embaixada da França e ao Instituto Francês. Fiquem confinados onde estão", escreveu a delegação francesa em sua página no Facebook.

O diretor-geral da polícia, Jean Bosco Kienou, afirmou à Agência EFE que a situação "tem a aparência de um ataque terrorista".

Os disparos agora acontecem de forma intermitente e há helicópteros sobrevoando a área onde fica a delegação francesa.

Burkina Faso passou por frequentes ataques de grupos jihadistas nos últimos dois anos. Segundo a apuração mais recente do governo, mais de 70 pessoas morreram no país em atentados terroristas desde 2015.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247