Retirada dos EUA da Síria causa polêmica no Iraque

A saída anunciada das tropas norte-americanas da Síria provocou polêmica no Iraque, com opiniões favoráveis ​​e contrárias sobre a presença militar dos EUA no país; no Parlamento e nas redes sociais muitos exigem a saída da coalizão liderada pelo Pentágono enquanto outros afirmam que sem essas tropas o caos retornará; a disputa reflete a posição precária do governo que está dividido entre partidários dos EUA e aliados do Irã

Retirada dos EUA da Síria causa polêmica no Iraque
Retirada dos EUA da Síria causa polêmica no Iraque

247, com Prensa Latina - A saída anunciada das tropas norte-americanas da Síria provocou polêmica no Iraque, com opiniões favoráveis ​​e contrárias sobre a presença militar dos EUA no país.

No Parlamento e nas redes sociais muitos exigem a saída da coalizão liderada pelo Pentágono enquanto outros afirmam que sem essas tropas o caos retornará.

A disputa reflete a posição precária do governo que está dividido entre partidários dos EUA e aliados do Irã.

Nas últimas semanas, vários partidos políticos exigiram uma retirada acelerada das tropas dos EUA e a mídia denunciou supostos movimentos desses militares no oeste e no norte do Iraque, especialmente na fronteira com a Síria.

Há informações de que Washington está tentando criar enclaves nessa linha divisória, caso precise fazer incursões na nação vizinha.

Um parlamentar pediu ao primeiro-ministro Adel Abdel Mahdi uma explicação sobre a atual presença militar estrangeira e o estabelecimento de um prazo para sua partida.

Os deputados também discutem uma lei que estabeleceria um prazo para a presença dos EUA.

Mas em vez de refletir um desejo genuíno e popular de uma retirada dos Estados Unidos, o projeto é considerado parte de um universo mais abrangente influenciado por Washington ou Teerã, segundo analistas.

As tensões entre norte-americanos e iranianos atingiram um nível mais alto desde que o governo dos EUA abandonou o histórico acordo nuclear selado de 2015 entre o Irã e seis potências mundiais, incluindo os EUA.

O número de soldados norte-americanos no Iraque chegou a 170 mil durante a batalha contra a Al-Qaeda e outros grupos, como resultado da invasão liderada pelos EUA em 2003.

Barack Obama ordenou a retirada em 2011, mas as tropas foram redistribuídas em 2014 sob uma coalizão contra o Estado Islâmico liderada pelo Pentágono.

O número de soldados da aliança estrangeira foi reduzido de quase 11 mil em janeiro de 2018 para oito mil em dezembro, segundo o primeiro-ministro.

O porta-voz da coalizão militar internacional, Sean Ryan, disse que há 5.200 soldados dos EUA estacionados ao lado das forças iraquianas em várias bases em todo o país.

Essa presença irrita as Unidades de Mobilização Popular (Hashed Al-Shaabi), uma milícia que desempenhou um papel fundamental ao lado das forças do governo na luta contra os grupos extremistas.

Os Estados Unidos proibiram essas unidades de se aproximarem das bases militares onde suas tropas estão estacionadas, e Hashed Al-Shaabi respondeu com pressão para que esses soldados deixassem o território nacional.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247