Rússia refuta pedidos para investigar doença de Navalny e questiona envenenamento

O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse que a clínica alemã não identificou de forma conclusiva a substância por trás da doença de Navalny

Alexei Navalny
Alexei Navalny (Foto: REUTERS/Vincent Kessler)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

(Reuters) - O Kremlin disse nesta terça-feira que não vê necessidade de investigar as circunstâncias que causaram a doença grave do político opositor Alexei Navalny por ora e que o diagnóstico inicial de envenenamento de uma clínica alemã ainda não é conclusivo.

Na segunda-feira, a chanceler da Alemanha, Angela Merkel, pediu à Rússia para investigar o suposto envenenamento e responsabilizar os perpetradores depois que médicos alemães encontraram indícios de uma substância tóxica no organismo do opositor.

Mas o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse que a clínica alemã não identificou de forma conclusiva a substância por trás da doença de Navalny e que não está claro por que os médicos alemães estão “se apressando” em usar a palavra envenenamento.

“É preciso haver uma razão para uma investigação. No momento, tudo que vocês e eu vemos é que o paciente está em coma”, disse Peskov aos repórteres em uma teleconferência.

Ele acrescentou que se um envenenamento for estabelecido de forma definitiva como a causa, uma investigação será iniciada.

“Se a substância for identificada e se determinar que foi um envenenamento, então, é claro, isto será uma razão para uma investigação”.

As exigências por um inquérito estão aumentando. A ministra das Relações Exteriores da Suécia, Ann Linde, tuitou nesta terça-feira que as “circunstâncias a respeito do suposto envenenamento de @navalny precisam ser esclarecidas por uma investigação independente”.

Na noite de segunda-feira, Josep Borrell, o principal diplomata da União Europeia, também pediu à Rússia que investigue.

Navalny, um crítico explícito do presidente russo, Vladimir Putin, foi levado à Alemanha para tratamento no sábado após desmaiar em um avião quando voava da Sibéria de volta a Moscou.

Ainda na segunda-feira, médicos alemães que tratam Navalny em um hospital de Berlim disseram que os exames indicaram envenenamento com algum tipo de inibidor de colinesterase, mas ainda não se conhece a substância específica.

Autoridades de saúde russas contradisseram o diagnóstico, dizendo que Navalny teve um exame negativo de detecção de inibidores de colinesterase quando esteve hospitalizado em Omsk na semana passada.

Peskov disse que os médicos do hospital de Omsk se empenharam para tratar de Navalny durante três dias e que podem ter salvado sua vida.

Navalny é uma pedra no sapato do Kremlin há mais de uma década, expondo o que diz ser uma corrupção de alto nível e mobilizando multidões de jovens manifestantes.

Ele foi detido diversas vezes por organizar reuniões públicas e comícios, processado devido às suas investigações sobre corrupção e impedido de concorrer a presidente em 2018.

Peskov disse que quaisquer insinuações de que Putin esteja envolvido de alguma maneira na doença de Navalny são uma “conversa fiada” que o Kremlin não levará a sério.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247