Secretário de Defesa dos EUA diz que país deve se preparar para derrotar a China militarmente

O secretário de Defesa dos Estados Unidos, Mark Esper, acusou a China de "má conduta" na relação com países vizinhos que disputam a posse de ilhas no Mar do Sul da China. Os Estados Unidos devem estar preparados para derrotá-la militarmente no Oceano Pacífico

EUA querem derrotar militarmente a China no Pacífico
EUA querem derrotar militarmente a China no Pacífico (Foto: Giuliana Miranda)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O secretário de Defesa dos Estados Unidos fez declarações beligerantes contra a China nesta terça-feira, durante uma videoconferência do Instituto Internacional de Estudos Estratégicos.
Esper mencionou no evento a estratégia americana para o Indo-Pacífico, que prevê "um futuro conflito de alta intensidade com rivais quase iguais". "Nós esperamos nunca precisar lutar, mas temos de estar preparados para derrotá-lo", disse, segundo reportagem do jornalista Igor Gielow, na Folha de S.Paulo."

O chefe do Pentágono sinalizou que os EUA vão reforçar investimentos em armas modernas, como mísseis hipersônicos e que quer contar em seu enfrentamento com a China com aliados na região, principalmente Japão e Índia.

Esper anunciou a chegada no Oceano Índico do porta-aviões USS Nimitz para manobras com a marinha indiana". Esse mesmo porta-aviões de propulsão nuclear fez na semana passada manobras militares no Mar do Sul da China. 

O pretexto invocado pelo Pentágono para a presença militar na área é a proteção da liberdade e direito de navegação e a acusação à China de pretender possuir "zonas de exclusão ou seu próprio império marítimo". Esper sinalizou que os EUA não irão permitir isso.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump pretende reavivar o Quad, um grupo formado por EUA, Índia, Japão e Austrália, por meio de novas manobras navais na região, visando acossar estrategicamente a China por vários flancos, diz a reportagem. 

Por outro lado, o chefe do Pentágono anunciou que visitará a China ainda este ano para "amplificar a cooperação em áreas de interesse comum, estabelecer sistemas de comunicação em crise", ao mesmo tempo que enfatizou a intenção estadunidense de "competir abertamente no sistema internacional", porque não quer ser regido por "valores chineses" ou ver Pequim "dando as cartas no futuro".

Segundo o secretário de Defesa, Trump defende a volta da competição entre grandes potências, citando, além da China, a Rússia de Vladimir Putin. "É uma disputa global", afirmou, em lugares como o Indo-Pacífico, o Ártico, o Oriente Médio e a África.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247