Senado uruguaio aprova casamento gay

As modificações se referem a aspectos de redação e algumas variações no Código Civil, no qual os conceitos de “marido e mulher” passam todos a ser catalogados como “cônjuges” ; o texto agora voltará à Câmara de Deputados para a aprovação final das alterações que foram feitas

Senado uruguaio aprova casamento gay
Senado uruguaio aprova casamento gay
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Sul 21 - O Senado do Uruguai aprovou nesta terça-feira (02) uma lei que legaliza o casamento civil entre pessoas do mesmo sexo. Dos parlamentares presentes na Câmara, 23 votaram a favor e 8 contra. A proposta começou a ser debatida às 9h30 da manhã de hoje, após uma Semana Santa em que a Igreja Católica se manifestou contra o projeto e pediu a seus legisladores que votassem com “consciência”.

A Frente Ampla (FA) votou a favor, enquanto o Partido Nacional e o Partido Colorado deram liberdade a seus legisladores para decidirem. Sete legisladores do Partido Nacional votaram contra, assim como um do Partido Colorado.

O primeiro a se manifestar hoje foi o senador Rafael Michelini (FA), relator do projeto. Ele disse que o casamento gay é uma “modificação profunda” para a sociedade e que talvez em alguns anos possa ser comparada com a abolição da escravidão ou com a lei que determina a jornada de trabalho de oito horas.

Ele questionou até que ponto o Estado pode se “meter” na vida privada das pessoas. “O Estado vai se meter em nossos quartos? Acredito que tenhamos aqui um tema profundo de liberdades. Não deveria haver distinção de raça, idade ou sexo”, opinou o senador.

Michelini ainda defendeu o direito de casais homossexuais adotarem filhos. Ele afirmou que o mais importante não é ter uma família tradicional, mas sim “receber amor”.

Francisco Gallinal, um dos senadores do Partido Nacionalista que votou contra o projeto, disse que o casamento gay não é igualitário, porque questiona a instituição matrimonial vigente. Ele disse que “se amanhã chegar um setor da sociedade que quer o casamento entre mais de duas pessoas, entre três ou quatro. Já não é tão igualitário. O novo casamento não é igualitário, porque não é exclusivo, é excludente”, afirmou.

As modificações se referem a aspectos de redação e algumas variações no Código Civil, no qual os conceitos de “marido e mulher” passam todos a ser catalogados como “cônjuges”. O texto agora voltará à Câmara de Deputados para a aprovação final das alterações que foram feitas.

Com informações do El País e do LaRed21

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email