Sindicatos na Europa preparam-se para outono de mobilizações por aumento salarial diante da crise

A inflação das mercadorias e a subida das taxas de juro do BCE fizeram com que a classe trabalhadora perdesse o poder de compra

www.brasil247.com -
(Foto: Reuters/Philippe Wojazer)


RT - A Europa está a caminho de um outono quente com protestos sindicais no horizonte. "Os trabalhadores e os seus sindicatos em toda a Europa não vão ficar parados enquanto o nível de vida for atacado", disse Esther Lynch, vice-secretária geral da Confederação Europeia de Sindicatos (ETUC, na sigla em inglês) há menos de quinze dias, anunciando que "espera-se que os sindicatos se intensifiquem e coordenem as suas ações nas próximas semanas".

No centro das atenções estão os preços crescentes de praticamente todas as mercadorias, por sua vez condicionados pelo elevado custo das matérias-primas, especialmente da energia, e a perda do poder de compra dos trabalhadores porque os salários não estão acompanhando o ritmo da inflação.

Já houve um aumento da atividade sindical no continente, sob a forma de greves e protestos em vários países europeus, mas espera-se que isto se intensifique nas próximas semanas para exercer pressão sobre o Conselho Europeu de 20 e 21 de outubro.

Seis exigências

Entre as exigências da ETUC, uma organização com 45 milhões de membros e representando 92 organizações sindicais de 39 países e 10 federações sindicais europeias, estão seis, para elas, exigências básicas. O seu plano de seis pontos inclui o seguinte:

  • Aumento dos salários para fazer face à inflação, apoiando um papel mais importante na negociação coletiva.
  • Aumentos do salário mínimo, assegurando que os trabalhadores com salários baixos possam pagar as contas básicas. 
  • Um limite ao custo das contas de energia para os consumidores e um imposto sobre os lucros excessivos realizados pelas empresas de energia no contexto atual.
  • Medidas nacionais e europeias de apoio contra a crise para proteger os rendimentos e o emprego na indústria, nos serviços e no sector público, e financiamento de medidas sociais para enfrentar a crise atual.

Inflação desenfreada

No centro desta crise está o fato de que os trabalhadores estão a suportar o peso da inflação, uma vez que as empresas estão a repercutir os aumentos dos seus fornecedores nos preços dos bens e serviços que vendem.

A inflação na União Europeia atingiu um recorde de 10,1% em agosto, o mais alto desde o início dos registos na UE, embora com uma distribuição muito desigual entre países. Assim, os países bálticos ultrapassaram a barreira dos 20%, enquanto entre as grandes economias a Alemanha atingiu 8,8%, França 6,6%, Itália 9,1% e Espanha 10,5%.

Além disso, a receita do Banco Central Europeu (BCE) para arrefecer a economia e travar os aumentos de preços tem sido a fórmula tradicional de aumentar as taxas de juro. Após o aumento histórico de 0,75 pontos este setembro, foi acumulado um aumento de 1,25 pontos ao longo dos últimos meses.

Os preços elevados e a dificuldade em endividar-se ou em satisfazer dívidas já contraídas auguram a possibilidade de uma recessão, que atingiria ainda mais a classe trabalhadora, porque muito possivelmente levaria a um aumento do desemprego.

O gás no centro da espiral inflacionária

O preço do gás aumentou sete vezes nos últimos trimestres e está por detrás de muitas das razões da espiral inflacionária, uma vez que gera aumentos de preços em toda a economia, especialmente no preço da eletricidade.

As empresas industriais de energia intensiva estão a enfrentar dificuldades econômicas crescentes e os custos operacionais crescentes, por sua vez, aumentam o risco de encerramentos e demissões.

No entanto, nem todas as empresas estão a passar pelas mesmas dificuldades. As grandes empresas, especialmente nos sectores energético e bancário, estão a obter lucros mais elevados e a aumentar os seus pagamentos aos seus acionistas.

Perda do poder de compra

Contra o aumento da inflação está o escasso crescimento dos salários, que subiram apenas 4,5% em toda a UE em 2022.

Assim, os salários reais, ou seja, o poder de compra, caíram na maioria dos países. Na Grécia a queda foi de 6,9%, em Espanha 4,5%, em Itália 3,1% e na Alemanha 2,6%.

Na maioria dos países do bloco UE, a conta média anual de eletricidade é superior a um mês de salário para um trabalhador com salário mínimo. Nos Países Baixos são 48 dias de trabalho apenas para pagar a eletricidade, na Espanha são 38 e na Alemanha 33, para dar apenas três exemplos dos 16 países onde o salário mínimo é de um mês ou mais.

Além disso, a subida das taxas de juro decretada pelo BCE significou que a Euribor, a taxa de referência para a maioria das hipotecas variáveis, já ultrapassou os 2%, o que irá asfixiar ainda mais muitas economias domésticas, que terão de suportar um aumento dos seus pagamentos, o que, por exemplo, no caso da Espanha, se traduzirá num aumento médio anual de 1.400 euros.

Neste cenário, a solução prevista por países como a Espanha é o que ficou conhecido como um "pacto de rendimentos": um acordo entre trabalhadores e empregadores para suportar a investida dos custos inflacionários de uma forma equitativa. Por outras palavras, moderação salarial, mas também moderação dos lucros das empresas.

Os governos começam a se mover

Desde o final do ano passado, a maioria dos estados membros da UE implementaram várias medidas para aliviar as consequências da crise econômica. Estas incluem transferências diretas para as famílias mais vulneráveis, a redução do IVA nas contas de eletricidade e a subvenção de combustível para o transporte rodoviário.

No entanto, são necessárias medidas mais ambiciosas, tais como uma nova regulamentação do mercado europeu da energia para reduzir as contas a preços acessíveis, bem como a imposição de um novo imposto sobre os lucros extraordinários das empresas energéticas e de outros setores, a fim de evitar a especulação numa situação de crise como a atual.

De fato, estas serão as duas principais medidas a serem discutidas no próximo Conselho Europeu, no próximo mês. A Comissão Europeia já lançou propostas que espera venham a ter o apoio dos 27. A Presidente da Comissão Ursula von der Leyen, no discurso da semana passada sobre o estado da UE, estimou que os novos impostos poderiam angariar 140 mil milhões de euros.

Os sindicatos também estão em movimento

Em toda a União Europeia, os sindicatos estão em movimento há meses. Em julho, os sindicatos franceses apresentaram exigências conjuntas ao governo, dando prioridade à exigência de salários e pensões mais elevados. O país enfrenta também uma greve dos controladores de tráfego aéreo.

>>> Leia mais: Greve, Greve, Greve, por Chris Hedges

No Reino Unido, os trabalhadores portuários em Liverpool e Felixstowe convocaram greves para o final deste mês e início do próximo para protestar contra as suas condições de trabalho, com aumentos salariais no centro das suas reivindicações. O verão de descontentamento, como foi descrito no Reino Unido, viu o país enfrentar a sua maior onda de greves em 30 anos.

Na Alemanha, Suécia e República Checa, também têm sido anunciados protestos todas as semanas. Este mês, em Praga, a confederação sindical ČMKOS convocou uma manifestação a nível nacional em protesto contra a queda dos salários. Na Bélgica, os sindicatos também estão a ameaçar com uma greve geral.

Na Espanha está excluída por enquanto uma greve geral, mas as organizações de trabalhadores anunciaram manifestações em todo o país. No verão, foram convocadas greves em alguns sectores, mas estas foram canceladas depois de o governo ter tomado medidas.

Acima de tudo, os sindicatos querem que a UE se afaste das soluções que foram adotadas após o surto da crise em 2008, quando as receitas comuns incluíam congelamento salarial, despedimento de funcionários públicos, aumento das taxas de juro e o que ficou conhecido como a agenda da austeridade. O conjunto destas medidas agravou a crise para os cidadãos e atrasou o regresso ao crescimento e à criação de emprego.

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email