The Economist provoca e coloca “Putin czar” na capa desta semana

A publicação britânica "The Economist" surpreendeu e trouxe na sua capa uma comparação de Vladmir Putin com os czares russos, monarcas da era pré-soviética. Sob o título de "Nasce czar", a revista diz que poder de Putin é "maior do que nunca"; revista destaca a capacidade de Putin de fazer ressurgir a Rússia pós "o caos da União Soviética", mas diz que o presidente terminará o mandato em 2018 deixando um legado de "turbulência e revolta no seu rastro"

Putin
Putin (Foto: Giuliana Miranda)

Da Sputnik Brasil

A publicação britânica "The Economist" surpreendeu e trouxe na sua capa uma comparação de Vladmir Putin com os czares russos, monarcas da era pré-soviética. Sob o título de "Nasce czar", a revista diz que poder de Putin é "maior do que nunca".

A The Economist destaca a capacidade de Putin de fazer ressurgir a Rússia pós "o caos da União Soviética", mas diz que o presidente terminará o mandato em 2018 deixando um legado de "turbulência e revolta no seu rastro".

"Putin não é o único autômato do mundo. O governo autoritário personalizado se espalhou por todo o mundo nos últimos 15 anos — muitas vezes, assim como com Putin, baseou-se na base frágil de uma democracia manipulada e ganhadora. É uma repreensão do triunfalismo liberal que se seguiu ao colapso da União Soviética. Líderes como Recep Tayyip Erdogan da Turquia, o falecido Hugo Chávez da Venezuela e até mesmo Narendra Modi, primeiro-ministro da Índia, se comportaram como se tivessem uma autoridade especial derivada diretamente da vontade popular. Na China, Xi Jinping formalizou esta semana o comando absoluto do Partido Comunista".

Putin

Putin

​O texto continua informando que Putin "evoca história imperial da Rússia, oferecendo uma imagem vívida de como o poder funciona e como ele pode dar errado".

"Desde que se voltou contra os oligarcas em 2001, assumindo o controle da mídia e, depois, dos gigantes do petróleo e do gás, [Putin teve] todo o acesso ao poder e ao dinheiro passando por ele".

O Kremlin ainda não comentou a publicação.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247