Tiroteio deixa um morto e feridos em local de votação na República Dominicana

País realiza eleições presidenciais e legislativas em meio ao avanço da pandemia do novo coronavírus e sob medidas de distanciamento

Eleições na República Dominicana
Eleições na República Dominicana (Foto: Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Igor Araújo, do canal Vozes Latinas - Um delegado do Partido Revolucionário Moderno (PRM) foi morto na manhã deste domingo (5) na República Dominicana durante um tiroteio em um dos locais de votação no bairro Bolívar na capital Santo Domingo. As autoridades ainda investigam se o assassinato tem relação com a disputa eleitoral e há ainda pelo menos dois feridos hospitalizados em função do episódio.

Apesar do ocorrido e de o cadáver permanecer no local por conta dos trabalhos de perícia, a votação não foi suspensa na zona eleitoral em questão. A vice-presidenta, Margarita Cedeño, não falou sobre o fato, mas apelou para que a população mantenha a tranquilidade até a conclusão do processo no final da tarde de hoje e mostrou-se preocupada com a disseminação do que classificou como notícias falsas para apavorar o eleitorado, além de reforçar a necessidade de manterem-se as regras de distanciamento, pouco viáveis diante das aglomerações naturalmente formadas.

A possibilidade de alta taxa de abstenção é outra das preocupações entre os concorrentes uma vez que o país junto à campanha política assiste nos últimas dias à uma arrancada nos casos de Covid-19 . De sexta-feira para sábado registrou-se a cifra recorde superior a mil infectados e até o momento são 786 falecidos conforme os números oficiais.

As acusações de compra de votos trocadas entre dirigentes do Partido Revolucionario Dominicano (PRM) e do governista Partido da Liberación Dominicana (PLD), dois dos protagonistas da corrida eleitoral, aumentam a temperatura da eleição que definirá além do novo presidente mais 245 autoridades para o legislativo e parlamentos regionais. O atual presidente, Danilo Medina (PLD), deixará o cargo em 16 de agosto.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247