Trump diz que Bolton foi um 'desastre' ao lidar com a Coreia do Norte e errou na Venezuela

O presidente dos EUA, Donald Trump, disse nesta quarta-feira que John Bolton, demitido um dia antes do posto de consultor de segurança nacional, foi um "desastre" na política da Coreia do Norte, "fora de linha" na Venezuela e não se deu bem com importantes autoridades do governo.

(Foto: Reuters)

Sputnik - Trump declarou que Bolton cometeu erros, incluindo ofender o líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, exigindo que ele siga um "modelo líbio" e entregue todas as suas armas nucleares.

"Ficamos muito tristes quando John Bolton falou sobre o modelo líbio [...] que desastre", afirmou Trump a repórteres na Casa Branca.

"Ele está usando isso para fazer um acordo com a Coreia do Norte? E eu não culpo Kim Jong-un pelo que ele disse depois disso, e ele não queria nada com John Bolton. E isso não é uma questão de ser duro. É uma questão de não ser inteligente em dizer algo assim".

Trump também comentou que discordou de Bolton na Venezuela, mas não ofereceu detalhes. "Eu pensei que ele estava fora de linha e acho que estou certo", pontuou o presidente.

Trump disse que Bolton, com sua abordagem abrasiva e radical, "não estava se dando bem com as pessoas do governo que considero muito importantes". "John não estava de acordo com o que estávamos fazendo", acrescentou.

Trump explicou que se dava bem com Bolton e esperava que eles se separassem em bons termos, mas acrescentou: "Talvez tenhamos e talvez não. Eu tenho que administrar o país do jeito que estamos administrando o país".

Trump ficou cada vez mais impaciente com o fracasso em derrubar o presidente socialista venezuelano Nicolás Maduro por meio de uma campanha de sanções e diplomacia liderada pelos EUA, na qual Bolton era uma força motriz.

Bolton também foi um arquiteto-chefe da política de linha dura do governo Trump sobre o Irã.

Questionado se ele consideraria flexibilizar as sanções contra o Irã para garantir uma reunião com seu líder, o presidente Hassan Rouhani na Assembleia Geral da ONU neste mês, Trump respondeu: "Vamos ver o que acontece". Bolton se opôs a esse passo.

'Equívocos' de Bolton

A Coreia do Norte denunciou Bolton como um "maníaco da guerra" e "escória humana". No ano passado, ameaçou cancelar uma primeira cúpula entre Kim e Trump depois que Bolton sugeriu o modelo de desarmamento unilateral da Líbia. No passado, Bolton havia proposto o uso da força militar para derrubar a dinastia dominante do país.

Os esforços de Trump para se envolver com a Coreia do Norte quase desmoronaram em fevereiro, depois que ele seguiu o conselho de Bolton em uma segunda cúpula em Hanói e entregou a Kim um pedaço de papel que pedia a transferência das armas nucleares de Pyongyang e combustível para os Estados Unidos.

Trump anunciou que havia disparado Bolton um dia depois que a Coreia do Norte sinalizou uma nova disposição de retomar as negociações de desnuclearização, mas depois prosseguiu com as últimas em uma série de lançamentos de testes de mísseis.

Analistas dizem que a remoção de Bolton poderia ajudar os esforços dos EUA para reviver as negociações, mas não tornará mais fácil para Washington convencer Pyongyang a desistir de armas nucleares.

Washington não deu nenhuma indicação até agora de que atenuará sua demanda pela desnuclearização definitiva da Coreia do Norte, embora com a saída de Bolton, é improvável que a aposta arriscada do tipo tudo ou nada seja repetida de maneira tão abrupta.

"Essa mudança de pessoal pode criar algum espaço para novas abordagens ou pensar sobre o que define o sucesso e como alcançá-lo", disse Jenny Town, do 38 North, um grupo de estudo sobre a Coreia do Norte com sede em Washington. "Se realmente existe ou se a visão de Bolton estava mais profundamente enraizada nos EUA, o pensamento sobre esse assunto ainda está para ser visto".

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247