Trump nega credenciais aos jornalistas da Bloomberg para cobrir a campanha de reeleição

A decisão foi feita após Michael Bloomberg, que é sócio e fundador da agência, anunciar que vai sua pré-candidatura pelo Partido Democrata

Presidente dos EUA, Donald Trump
Presidente dos EUA, Donald Trump (Foto: REUTERS/Yuri Gripas)

247 - O chefe da campanha de reeleição de Donald Trump à Presidência dos Estados Unidos afirmou nesta que os repórteres da Bloomberg News não terão crediciais de imprensa emitidas para fazer a cobertura durante as eleições. A informação é do jornal O Globo.

A decisão foi feita após Michael Bloomberg, que é sócio e fundador da agência, anunciar que vai ser pré-candidatura pelo Partido Democrata. As credenciais usadas por jornalistas permitem acesso mais fácil a comícios e outros eventos da pré-campanha para a eleição de 2020.

"À medida que seu viés foi abertamente declarado, a campanha de Trump não irá mais credenciar representantes da Bloomberg News para comícios ou outros eventos da campanha", disse o gerente da campanha de Trump, Brad Parscale, em um comunicado.

A agência diz que cobrirá a campanha de todos os pré-candidatos, mas, por uma questão de isonomia, não fará investigações sobre os concorrentes democratas, por conta da candidatura do seu fundador.

No entanto, a agência disse que continuaria a investigar Trump, até pelo menos a convenção que decidirá quem será o candidato do Partido Democrata à Presidência.

O editor-chefe da Bloomberg, John Micklethwait, disse que "a acusação de viés não poderia estar mais longe da realidade".

"Cobrimos Donald Trump de forma justa e sem viés desde que ele se tornou um candidato, em 2015, e iremos continuar fazendo isso apesar das restrições impostas pela campanha de Trump", escreveu.

Ao vivo na TV 247 Youtube 247