Trump oficializa escolha da juíza conservadora Amy Coney Barret para a Suprema Corte

Conhecida por suas visões religiosas conservadoras, a juíza de 48 anos ficará no lugar da progressista Ruth Bader Ginsburg, que faleceu no último dia 18. Com a indicação, os conservadores têm uma maioria de 6 a 3 no tribunal

Juíza da Suprema Corte dos EUA, Amy Coney Barret
Juíza da Suprema Corte dos EUA, Amy Coney Barret (Foto: Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247, com informações da Reuters - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, oficializou em uma cerimônia neste sábado (26) a escolha da juíza Amy Coney Barret para a Suprema Corte do país, depois da morte da progressista Ruth Bader Ginsburg no último dia 18.

Barrett, de 48 anos, foi nomeada por Trump para a Corte de Apelações do 7º Circuito, com sede em Chicago, em 2017 e é conhecida por suas visões religiosas conservadoras. Os juízes da Suprema Corte recebem cargos vitalícios.

A indicação de Trump dá aos conservadores uma maioria de 6 a 3 no tribunal em um momento de intensas divisões políticas nos Estados Unidos. 

Barrett sempre foi vista como favorita ao posto, juntamente com a também juíza de tribunal de apelações Barbara Lagoa.

A indicação de Trump tem o que parece ser um caminho livre para a confirmação do Senado antes da eleição presidencial de 3 de novembro, com os republicanos detendo uma maioria de 53 a 47 na Casa e apenas dois senadores do partido do presidente indicando oposição em avançar com o processo.

Trump fez duas nomeações anteriores para a Suprema Corte: Neil Gorsuch em 2017 e Brett Kavanaugh em 2018.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247