Trump pede ao Congresso para investigar se Obama ordenou grampo

Casa Branca pediu neste domingo ao Congresso norte-americano que examine se a administração do ex-presidente Barack Obama abusou de sua "autoridade investigativa" executiva durante a campanha de 2016, como parte da investigação do Congresso em andamento sobre a influência da Rússia nas eleição presidencial; pedido veio um dia depois que o presidente Donald Trump alegou, sem evidência de apoio, que o então presidente Obama ordenou uma escuta telefônica na Trump Tower, em Nova York, que era então sede da campanha de Trump

Casa Branca pediu neste domingo ao Congresso norte-americano que examine se a administração do ex-presidente Barack Obama abusou de sua "autoridade investigativa" executiva durante a campanha de 2016, como parte da investigação do Congresso em andamento sobre a influência da Rússia nas eleição presidencial; pedido veio um dia depois que o presidente Donald Trump alegou, sem evidência de apoio, que o então presidente Obama ordenou uma escuta telefônica na Trump Tower, em Nova York, que era então sede da campanha de Trump
Casa Branca pediu neste domingo ao Congresso norte-americano que examine se a administração do ex-presidente Barack Obama abusou de sua "autoridade investigativa" executiva durante a campanha de 2016, como parte da investigação do Congresso em andamento sobre a influência da Rússia nas eleição presidencial; pedido veio um dia depois que o presidente Donald Trump alegou, sem evidência de apoio, que o então presidente Obama ordenou uma escuta telefônica na Trump Tower, em Nova York, que era então sede da campanha de Trump (Foto: Aquiles Lins)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

WASHINGTON (Reuters) - A Casa Branca pediu neste domingo ao Congresso norte-americano que examine se a administração do ex-presidente Barack Obama abusou de sua "autoridade investigativa" executiva durante a campanha de 2016, como parte da investigação do Congresso em andamento sobre a influência da Rússia nas eleição presidencial.

O pedido veio um dia depois que o presidente Donald Trump alegou, sem evidência de apoio, que o então presidente Obama ordenou uma escuta telefônica na Trump Tower, em Nova York, que era então sede da campanha de Trump.

o porta-voz da Casa Branca, Sean Spicer, disse que Trump e membros do governo não terão mais comentários sobre o assunto até que o Congresso tenha concluído sua investigação, potencialmente eliminando tentativas fazer Trump explicar suas acusações.

"Relatórios sobre investigações potencialmente motivadas politicamente logo antes da eleição de 2016 são muito preocupantes", disse Spicer, em um comunicado.

Trump fez a acusação de escutas telefônicas em uma série de tweets matutinos no sábado, em meio ao escrutínio crescente dos laços de sua campanha com a Rússia. Um porta-voz de Obama negou a acusação, dizendo que era "uma regra fundamental" que nenhum funcionário da Casa Branca interferisse com investigações independentes do Departamento de Justiça.

(Reportagem de James Oliphant)

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247