"Venezuela deve ouvir aspirações legítimas"

Secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, pediu diálogo com a oposição e com os que estão nas ruas e não fez qualquer referência explícita à Conferência Nacional para a Paz, uma iniciativa em que participaram vários setores da sociedade civil e a Igreja, a pedido do presidente Nicolás Maduro

FILE - In this Jan. 11, 2013 file photo United Nations Secretary General Ban Ki-moon responds to questions during a news interview at the United Nations headquarters. Ban Ki-moon says his top hopes for 2013 are to reach a new agreement on climate change a
FILE - In this Jan. 11, 2013 file photo United Nations Secretary General Ban Ki-moon responds to questions during a news interview at the United Nations headquarters. Ban Ki-moon says his top hopes for 2013 are to reach a new agreement on climate change a (Foto: Roberta Namour)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

*Da Agência Brasil
O secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, apelou hoje (3) às autoridades da Venezuela para que escutem a voz dos que protestam há semanas nas ruas contra o governo, considerando que os manifestantes têm "legítimas aspirações". Ele concedeu entrevista coletiva na 25ª sessão do Conselho dos Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas (ONU), que começou hoje em Genebra.

O secretário pediu diálogo com a oposição e com que os estão nas ruas e não fez qualquer referência explícita à Conferência Nacional para a Paz, uma iniciativa em que participaram vários setores da sociedade civil e a Igreja, a pedido do presidente Nicolás Maduro.

Apesar de deixar claro que considera que os manifestantes devem expressar o seu descontentamento "de forma pacífica", Ban Ki-moon disse que as autoridades devem esforçar-se por respeitar os direitos de liberdade de expressão e de manifestação.

Essas preocupações, acrescentou, serão transmitidas de viva voz ao ministro dos Negócios Estrangeiros da Venezuela, Elías Jaua, com quem o secretário se reúne ainda hoje em Genebra.

A Venezuela vive uma fase de protestos contra o governo. Nas últimas semanas, várias pessoas morreram, 260 ficaram feridas e 700 foram detidas.

*Com informações da Agência Lusa

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email