Venezuela: Posição de Dilma se impõe sobre a de Macri

A futura ministra das Relações Exteriores da Argentina, Susana Malcorra, indicou nesta segunda-feira 7 em Buenos Aires que o governo do presidente eleito, Mauricio Macri, não vai mais pedir a suspensão da Venezuela do Mercosul; a ministra argentina ecoou a postura da presidente Dilma Rousseff, que, na COP21, em Paris, havia indicado que a cláusula democrática do bloco não podia ser usada com hipóteses, mas com fatos; "A cláusula democrática se aplica sobre fatos, e o fato era a eleição no dia de ontem. Acho que hoje podemos dizer que as eleições têm funcionado dentro do que o marco democrático estabelece e tudo indica que os resultados têm sido reconhecidos por Maduro", declarou Malcorra

A futura ministra das Relações Exteriores da Argentina, Susana Malcorra, indicou nesta segunda-feira 7 em Buenos Aires que o governo do presidente eleito, Mauricio Macri, não vai mais pedir a suspensão da Venezuela do Mercosul; a ministra argentina ecoou a postura da presidente Dilma Rousseff, que, na COP21, em Paris, havia indicado que a cláusula democrática do bloco não podia ser usada com hipóteses, mas com fatos; "A cláusula democrática se aplica sobre fatos, e o fato era a eleição no dia de ontem. Acho que hoje podemos dizer que as eleições têm funcionado dentro do que o marco democrático estabelece e tudo indica que os resultados têm sido reconhecidos por Maduro", declarou Malcorra
A futura ministra das Relações Exteriores da Argentina, Susana Malcorra, indicou nesta segunda-feira 7 em Buenos Aires que o governo do presidente eleito, Mauricio Macri, não vai mais pedir a suspensão da Venezuela do Mercosul; a ministra argentina ecoou a postura da presidente Dilma Rousseff, que, na COP21, em Paris, havia indicado que a cláusula democrática do bloco não podia ser usada com hipóteses, mas com fatos; "A cláusula democrática se aplica sobre fatos, e o fato era a eleição no dia de ontem. Acho que hoje podemos dizer que as eleições têm funcionado dentro do que o marco democrático estabelece e tudo indica que os resultados têm sido reconhecidos por Maduro", declarou Malcorra (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Guido Nejamkis, do 247 em espanhol - A futura ministra das Relações Exteriores da Argentina, Susana Malcorra, indicou nesta segunda-feira 7 em Buenos Aires que o governo do presidente eleito, Mauricio Macri, que tomará posse no dia 10 de dezembro, não vai mais pedir a suspensão da Venezuela do Mercosul.

A ministra escolhida por Macri para liderar a diplomacia argentina ecoou a postura da presidente Dilma Rousseff, que, na COP21, em Paris, havia indicado que a cláusula democrática do bloco não podia ser usada com hipóteses, mas com fatos.

"A cláusula democrática se aplica sobre fatos, e o fato era a eleição no dia de ontem. Acho que hoje podemos dizer que as eleições têm funcionado dentro do que o marco democrático estabelece e tudo indica que os resultados têm sido reconhecidos por Maduro", declarou Malcorra a uma rádio argentina.

"Os resultados têm sido majoritários para a oposição, com um número de bancadas [na Assembleia Legislativa] ainda em definição, mas com diferença significativa. Por isso, temos que esperar que [a eleição] acabe, mas nada indica que existam razões para a aplicação da cláusula democrática", completou.

A futura chanceler afirmou que conversará hoje com colegas da região sobre as eleições legislativas venezuelanas.

"Tem que parabenizar o povo venezuelano e reconhecer que o governo tem feito um gesto muito claro de reconhecimento do resultado das eleições", explicou.

A posição do governo Macri adota assim a visão que a presidente Dilma Rousseff explicitou na COP21.

"A cláusula democrática é integrante do Mercosul, mas para usá-la não pode ser com hipóteses. Tem de qualificar o fato. O Mercosul sempre contou com ela. Foi ela que permitiu que o Mercosul não concordasse com a saída do presidente [Fernando] Lugo, do Paraguai. Precisa de fato determinado. Não é genérica", disse Dilma em entrevista coletiva a jornalistas, após participar da conferência em Paris.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247