Vladimir Putin: atentado em Londres comove por sua crueldade e cinismo

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, expressou suas condolências ao povo do Reino Unido em conexão com os ataques terroristas em Londres que ocorreram na noite de sábado para domingo (4 de junho); "Este crime perturba pela sua crueldade e cinismo", se lê no telegrama que o líder russo enviou à primeira-ministra britânica Theresa May

Presidente da Rússia, Vladimir Putin, durante encontro em Moscou. 17/11/2015 REUTERS/Alexei Nikolskyi/SPUTNIK/Kremlin
Presidente da Rússia, Vladimir Putin, durante encontro em Moscou. 17/11/2015 REUTERS/Alexei Nikolskyi/SPUTNIK/Kremlin (Foto: Leonardo Attuch)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Da Agência Sputinik

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, expressou suas condolências ao povo do Reino Unido em conexão com os ataques terroristas em Londres que ocorreram na noite de sábado para domingo (4 de junho).

"Este crime perturba pela sua crueldade e cinismo", se lê no telegrama que o líder russo enviou à primeira-ministra britânica Theresa May.

Ao mesmo tempo, Putin expressou a certeza que a resposta geral aos atentados deve ser o aumento dos esforços na luta contra o terrorismo. Além disso, o presidente russo transmitiu suas condolências às famílias e amigos das vítimas e seus desejos de rápidas melhoras aos feridos. 

Dois ataques terroristas tiveram lugar no centro de Londres na noite de sábado para domingo (4 de junho). Três homens dirigindo uma van atropelaram pedestres na Ponte de Londres, depois passaram pela ponte, saíram do carro no Mercado de Borough, que fica por perto, e começaram atacando os passantes com facas. Este já é o terceiro atentado terrorista que ocorre no Reino Unido nos últimos 2 meses e meio. Ao menos 48 pessoas foram transportadas aos hospitais na sequência do ataque e 6 pessoas morreram.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247