Xi Jinping desafia a lógica da era Trump e diz que multilateralismo vencerá unilateralismo

Em pronunciamento na 20ª reunião do Conselho de Chefes de Estado da Organização de Cooperação de Xangai, o presidente da China disse nesta terça que o multilateralismo prevalecerá sobre o unilateralismo. O pronunciamento pode ser um marco divisório que marque o fim da era Trump, que buscou submeter o mundo de maneira brutal aos EUA

Xi Jinping
Xi Jinping (Foto: Diario do Povo)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - "A história provou e continuará provando que o multilateralismo vencerá o unilateralismo", declarou nesta terça-feira (10) o presidente chinês, Xi Jinping, ao participar por videoconferência da 20ª reunião do Conselho de Chefes de Estado da Organização de Cooperação de Xangai, informa a Xinhua. O pronunciamento pode ser lido como um marco divisório a delimitar o fim da era Trump, que buscou submeter o mundo de maneira brutal aos EUA. Com a vitória de Joe Biden nas eleições estadunidenses, reabre-se o caminho para um mundo multipolar.

A humanidade vive em uma aldeia global onde os interesses e destinos de todos os países estão interligados, assinalou Xi.

Observando que as pessoas em todo o mundo têm um desejo mais forte por uma vida melhor, Xi disse que a tendência à paz, ao desenvolvimento, à cooperação e ao benefício mútuo é inabalável.

A boa vizinhança e a amizade prevalecerão sobre uma abordagem do tipo "empobrecer o vizinho", a cooperação mutuamente benéfica certamente substituirá o jogo de soma zero e o multilateralismo vencerá o unilateralismo, acrescentou Xi.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247