Advogado: voto do revisor "lavou a alma" de João Paulo Cunha

Defensor do deputado federal, o advogado Alberto Toron disse que Lewandowski "pôs as coisas nos seus devidos lugares" ao votar pela absolvição de João Paulo Cunha na AP 470

Advogado: voto do revisor "lavou a alma" de João Paulo Cunha
Advogado: voto do revisor "lavou a alma" de João Paulo Cunha (Foto: Nelson Jr./SCO/STF)

247 - Depois de votar pela condenação de quatro dos réus da Ação Penal 470, o ministro Ricardo Lewandowski, revisor do processo, enfim deu, a um dos réus, o alento que dele se esperava após o voto do relator do 'mensalão', Joaquim Barbosa. No intervalo da sessão desta quinta-feira no Supremo Tribunal Federal, o advogado de defesa do deputado federal e candidato a prefeito em Osasco (SP) João Paulo Cunha (PT-SP) disse que o voto de Lewandowski "lavou a alma" do seu cliente. "(O revisor) Pôs as coisas nos seus devidos lugares. Agora vamos esperar os debates entre os ministros para ver qual voto eles vão sufragar", disse o advogado Alberto Toron.

Lewandowski votou pela absolvição de Cunha por corrupção passiva e por dois peculatos dos quais é acusado. Para a defesa, o voto do revisor foi "ricamente fundamentado", enquanto o voto de Barbosa, que votou pela condenação nessas duas acusações, "não traz nenhum fundamento". Em entrevista ao portal Uol, Toron disse, contudo, que ainda não é hora de comemorar. "Não vamos comemorar absolutamente nada. Vamos aguardar com serenidade e respeito", disse o advogado, não sem considerar o voto de Lewandowski "um excelente começo".

 

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247